segunda-feira, 20 de junho de 2011

Fernando Nobre e Israel

"O apoio manifestado pelos EUA a muitos ditadores sanguinários, o seu apoio incondicional e cego a Israel, mesmo quando este último se comporta injustamente, brutalmente e à revelia das sucessivas decisões das Nações Unidas há décadas, a não ratificação de tratados internacionais tais como o de Quioto, o da não proliferação das minas pessoais e do Tribunal Penal Internacional (TPI), a política arrogante do quero posso e mando, desprezando, por vezes, toda a comunidade internacional e as próprias Nações Unidas, faz com que o ódio que certos povos lhe votam tenha atingido dimensões nunca imagináveis."
A propósito e no rescaldo do 11 de Setembro de 2001.
"- Foi o governo de Israel que, ao mergulhar no desespero e no ódio milhões de palestinianos (privados de água, luz, alimentos, trabalho, segurança, dignidade e esperança ), os pôs do lado do Hamas, movimento que ele incentivou, para não dizer criou, com o intuito de enfraquecer na altura o movimento FATAH de Yasser Arafat. Como inúmeras vezes na História, o feitiço virou-se contra o feiticeiro, como também aconteceu recentemente no Afeganistão.
- Estamos a assistir a um combate de David (os palestinianos com os seus roquetes, armas ligeiras e fundas com pedras...) contra Golias (os israelitas com os seus mísseis teleguiados, aviões, tanques e se necessário...a arma atómica!)."
Sobre a Guerra de Gaza de 2009.

O Hezbollah é uma organização terrorista?
 "Tenho pensado muito nisso. É preciso fazer alguns considerandos históricos: o termo terrorista foi sempre utilizado pelas forças dominantes em relação àqueles que resistiam. Não nos esqueçamos como os nazis tratavam aqueles que resistiam em França, Bélgica, Itália, Holanda, Grécia. Para os nazis todos os partisans eram terroristas. Não nos esqueçamos que também nós, eu próprio nasci em Angola (uma antiga província ultramarina portuguesa), chamávamos terroristas aos elementos de libertação. Muitos deles são actualmente presidentes dos seus países com os quais Portugal tem relações privilegiadas. Terrorista é um conceito muito volátil. Quanto ao Hezbollah, a percepção com que fiquei é que é um movimento com profunda inserção na sociedade libanesa, sobretudo na xiita, com um trabalho social muito grande, nomeadamente, a nível de orfanatos, escolas, hospitais, com participação até em gasolineiras, hotelaria e na distribuição... Para os libaneses são vistos sobretudo como um movimento de resistência nascido das repetidas invasões israelitas. (...) O actual Hezbollah não é um movimento de fanáticos."
Sobre o Hezbollah.

É este o homem que o PSD apresentou para Presidente da Assembleia da República.

7 comentários:

Martini Bianco disse...

Esse Nobre foi pouco nobre nessas declarações que eu desconhecia. Depois de ler isto, perdeu a pouca credibilidade que tinha.

maria disse...

FN, se tivesse um pingo de vergonha, não deixava o partido que o acolheu ficar com a batata quente na mão qto à sua eleição para presidente da AR.Desistia simplesmente.Este sr foi para mim uma desilusão. Nunca o imaginei ambicioso e muito menos anti-semita.Estou à vontade porque nem sequer sou descendente de judeus.

Anónimo disse...

Sr.Fernando nobre o sr. é mesmo o imbecil que eu sempre pensei que fosse, não me restam mais duvidas.
Ah!!!!! Israel é David!!!!!

Anónimo disse...

Para dizer mal do Dr. Fernando Nobre, os sionistas mentirosos e fanáticos recorrem a todo o género de insultos!

mil disse...

Caro David: sabe que há pessoas que usam avental fora da cozinha? Pois parece que o Sr. Nobre usa o seu com Paula Teixeira da Cruz e com António Costa. Com estes 3, e mais alguns, imagina-se o 'cozinhado'.

David Levy disse...

Caro anónimo,

todas as declarações foram retiradas do blogue do Fernando Nobre e do site do Bloco de Esquerda.
O sr como não tem argumentos chama-me mentiroso e fanático. Insultos portanto.

Anónimo disse...

Não se pode pôr em causa as " vacas sagradas" ! Depois admirma-se do anti - seministo!