segunda-feira, 13 de janeiro de 2014

O mito da visita de Ariel Sharon ao Monte do Templo como causa da segunda Intifada

Por João Monteiro.

Ariel Sharon foi um comandante militar exemplar e um político determinado em defender até às última consequências os interesses de Israel.
Relembro aqui um pequeno episódio cuja causa do que se lhe seguiu lhe foi atribuída por todos aqueles que, de todos os quadrantes, fazem constante campanha global contra o Estado de Israel e os que o defendem tenazmente. 
Antes de deixar a Presidência e numa tentativa de fazer avançar o processo de paz entre Israelitas e Palestinianos, o Presidente americano Bill Clinton fez um convite ao Primeiro-Ministro de Israel, Ehud Barak, e ao Presidente da Autoridade Palestiniana, Yasser Arafat, para uma cimeira em Camp David que teve início em 11 de Julho de 2000.
Nessa cimeira, o Primeiro-Ministro Barak fez um conjunto de concessões a Arafat que excedeu tudo o que antes tinha sido feito: a retirada de Israel de 95% da Judeia e Samaria (Margem Ocidental) e de toda a Faixa de Gaza; a criação de um Estado Palestiniano nesses territórios; o desmantelamento de aldeamentos isolados na Judeia e Samaria e a transferência desse território para a Autoridade Palestiniana; o controlo palestiniano sobre Jerusalém Oriental incluíndo a maior parte da Cidade Velha e a “soberania religiosa” sobre o Monte do Templo. Em troca Arafat tinha que declarar o fim do conflito e concordar em não fazer mais exigências a Israel no futuro. Mas, para espanto de todos, incluindo os mediadores americanos, Arafat recusou a proposta, continuou a insistir na exigência do “direito de regresso” dos refugiados palestinianos a Israel, escolhendo não negociar nem fazer qualquer contra-proposta e abandonou a cimeira. A cimeira terminou a 25 de Julho sem que tivesse sido alcançado qualquer acordo. O terreno estava preparado para os acontecimentos que se sucederam a partir de Setembro de 2000.
A 27 de Setembro de 2000, a explosão de uma bomba colocada junto à estrada perto de Netzarim na Faixa de Gaza, matou o sargento israelita David Biri. No dia seguinte, na cidade de Kalkilya, na Judeia e Samaria, numa patrulha conjunta composta por um polícia palestiniano e por um polícia israelita, o polícia palestiniano abriu fogo sobre o seu colega israelita, matando-o.
Nesse mesmo dia, 28 de Setembro, Ariel Sharon, líder do Likud, fez uma visita ao Monte do Templo em Jerusalém. Esta visita foi antecipadamente divulgada e comunicada aos líderes palestinianos que a ela não se opuseram. De facto, o Ministro israelita da Segurança Interna, Shlomo Ben-Ami, contactou o chefe da Segurança Palestiniana, Jabril Rajoub, que lhe assegurou que, desde que Sharon não entrasse nas Mesquitas, não haveria problemas. Nessa conformidade, o Primeiro-Ministro Ehud Barak deu a sua autorização à visita. 
Apenas um parêntesis para notar que não deixa de ser espantoso que um israelita necessite de todo este “aparato” para visitar, no seu próprio país, o local que os israelitas mais acarinham por ser o local mais sagrado para os judeus de todo o mundo, como é o Monte do Templo em Jerusalém, situação que tem como causa primeira o ódio dos árabes aos judeus mas que, lamentavelmente, Israel ajudou a manter ao ter entregue a administração do Monte do Templo ao conselho muçulmano Waqf após a reconquista de Jerusalém em 1967.
A visita demorou 34 minutos e decorreu no período normal em que o Monte do Templo está aberto aos turistas, não tendo Sharon, sequer, entrado em qualquer das Mesquitas. No entanto, a verdade é que a visita foi usada como pretexto para o início da insurreição armada que os palestinianos levaram a cabo e que, por esse motivo, designaram de “Intifada de Al-Aqsa” – a “profanação” do local por um judeu e pelos cerca de 1.500 polícias israelitas que o acompanharam, proteção essa que só foi necessária porque o chefe da Segurança Palestiniana veio afirmar, posteriormente a ter dado o seu acordo à realização da visita, que a polícia palestiniana nada faria para evitar qualquer tipo de violência que surgisse durante a mesma.
A visita decorreu sem incidentes de maior, a não ser os protestos de cerca de 1.500 jovens palestinianos que se juntaram no local e que atiraram pedras, tendo a polícia israelita evitado na altura maiores desacatos. Estes iniciaram-se de forma orquestrada e violenta a partir do dia seguinte após as orações de sexta-feira nas mesquitas. É reveladora a entrevista que Marwan Barghouti, líder do Tanzim (organização da estrutura da Fatah) que se encontra a cumprir prisão perpétua em Israel pela sua ação terrorista, deu ao Diário de língua árabe de Londres Al-Hayat, em 29 de Setembro de 2001, admitindo o seu papel na preparação da insurreição: “Eu sabia que o final de Setembro era o último momento antes da explosão mas quando Sharon foi à Mesquita de Al-Aqsa, este tornou-se o momento mais apropriado para o início da intifada… Na noite anterior à visita de Sharon, eu participei num painel numa televisão local e aproveitei a oportunidade para apelar ao público para ir à Mesquita de Al-Aqsa na manhã seguinte pois não era possível que Sharon chegasse assim a Al-Haram al-Sharif (o nome pelo qual os muçulmanos designam o Monte do Templo) e saísse pacificamente. (…) fui a Al-Aqsa de manhã… tentámos criar confrontos mas sem sucesso por causa da diferença de opiniões que surgiram na altura com outros que se encontravam no recinto de Al-Aqsa… Depois de Sharon ter ido embora, fiquei duas horas com outras pessoas e discutimos a maneira de respondermos e como a reacção poderia ocorrer em todas as cidades e não apenas em Jerusalém. Contactámos todas as facções.” Por outro lado, Imad Falouji, Ministro das Comunicações da Autoridade Palestiniana, disse, num encontro realizado no Líbano em 3 de Março de 2001, que a violência tinha sido planeada em Julho, portanto, muito antes da visita de Sharon ao Monte do Templo. Ele afirmou: “Quem pensar que isto começou por causa da visita desprezível de Sharon a Al-Aksa está enganado. Estava planeado desde o regresso de Arafat de Camp David…” Os próprios órgãos de informação oficiais da Autoridade Palestiniana incitaram à violência pois, a 29 de Setembro, a Voz da Palestina (a rádio oficial da Autoridade Palestiniana), começou a difundir apelos a todos os palestinianos para virem defender a Mesquita de Al-Aqsa e a Autoridade Palestiniana encerrou as escolas e providenciou transporte para os estudantes se deslocarem ao Monte do Templo para participarem nos distúrbios! E a 30 de Setembro, quando centenas de israelitas se encontravam no Muro Ocidental nas orações por ocasião do Ano Novo Judaico, milhares de Árabes começaram a atirar-lhes tijolos e pedras, assim como à polícia israelita. A violência então propagou-se a cidades e vilas por todo o Israel, à Judeia e Samaria e à Faixa de Gaza. 

10 comentários:

I. B. disse...

Não é possível fazer a paz com quem apenas deseja a extinção pura e simples do seu interlocutor. Israel deve de uma vez por todas entender que não tem interlocutores para a paz. Os israelitas estão demasiado perto da situação para entenderem isso.

Israel Bloom

EJSantos disse...

A presença de Ariel Sharom foi so um pretexto. Os palestinianos já andavam a querer conflito muito antes da visita .

Anónimo disse...

Eu acho que Israel entende, os americanos e europeus é que não entendem ou melhor, não querem entender a duplicidade dos árabes.
F.G.

Luís Lavoura disse...

a cidade de Kalkilya, na Judeia e Samaria

Mau... ou fica na Judeia, ou fica na Samaria. Não pode ficar nas duas ao mesmo tempo...

Quais são as fronteiras da Judeia com a Samaria? Há de haver uma fronteira que separa as duas, para cá é Judeia, para lá Samaria...

Luís Lavoura disse...

I.B.

Não é possível fazer a paz com quem apenas deseja a extinção pura e simples do seu interlocutor.

Essa é a posição de muitos israelitas, que pura e simplesmente desejam que os árabes desapareçam totalmente de Israel e da Cisjordânia.

Segundo já ouvi dizer, é até política de Israel impedir que palestinianos que tenham emigrado (por exemplo, para se doutorarem nos EUA) regressem à Palestina, não lhes concedendo vistos de entrada. Objetivo (longínquo) dessa política seria pouco a pouco esvaziar a Palestina de palestinianos.

Luís Lavoura disse...

o local que os israelitas mais acarinham por ser o local mais sagrado para os judeus

Sim, mas os judeus (religiosos) nunca visitam esse local, porque consideram que o estariam a profanar. Ao pisar qualquer local no Monte, consideram que poderiam estar de facto a pisar o Santo dos Santos, o local onde esteve depositada a Arca da Aliança.

Portanto, de facto, embora seja um local sagrado para os judeus, não é um local que eles em geral estejam interessados em visitar.

Isto torna tanto mais estranha a visita de Sharon àquele local.

bye-bye, idiota disse...

Para "Luis Lavoura "

sobre o ponto 1)
Luis Lavoura, usa um mero erro de geografia, para concordar com as acções palestinianas ?
As mortes do policia, etc etc.
São eles que começam, recorde-se de vez.

sobre o ponto 2)
Você é idiota, ou faz-se? Quem motivou estes ataques transcritos, foram os palestinianos.
Por isso é normal dizer-se o que disse IB

Agora fomentar ataques, como os palestinianos. Recusar qualquer hipotese à paz, como fizeram os seus lideres.
E depois vir o "Luis Lavoura" dizer "bolas, os israelitas não aceitam que hajam pessoas que os querem matar. que malandros" ??


sobre o ponto 3
Nada mais tenho a dizer.

I. B. disse...

Luís Lavoura,

Você e o Obama têm muito em comum: ou são absolutamente ingénuos e limitados (para não lhes chamar idiotas chapados), ou são refinados hipócritas (ou utilizadores da taquyia, em termos islâmicos).

Na segunda hipótese, vou-lhe responder telegraficamente, embora o «bye-bye idiota» já tenha dito tudo:

1) Judeia e Samaria equivale a Trás os Montes e Alto Douro, ou Entre Douro e Minho, por exemplo. «Mau, mau... mas foi entre Doutro ou foi no Minho? Foi em Castelo ou foi em Branco?». Pueris jogos de palavras para quem mais não tem. A Segunda Intifada, com os seus massacres, não interessa, o que interessa é armadilhas de linguagem à chiquesperto.

2) Cisjordânia e Palestina enquanto nação árabe, NÃO existem nem nunca existiram, a não ser desde que foram INVENTADAS nos anos 60 pelo seu camarada e mega terrorista Arafat. Existem Judeia e Samaria e a Terra de Israel - que deve ser TODA desocupada pelos terroristas árabes hostis a Israel, como é óbvio. Que vão para as terras deles: Jordânia, Egipto e afins. Israel é 1% do Médio-Oriente. Vão para os outros 99% e deixem a terra alheia. Qualquer país expulsa os estrangeiros que para lá vão cometer actos terroristas. Uma excepção mundial: Israel, que tem que os aturar, ou prender e libertar.

3) Os católicos não ousam olhar para o interior do sacrário. Isso significa que os muçulmanos lá possam ir guardar o Alcorão? tenha paciência, que a paciência tem limites!


O que é dramático é que os limitados (ou hipócritas, eventualmente) não sejam todos como você, Luís. Você diz estas barbaridades, e fica-se por aí (espero). Os outros fazem-se explodir matando inocentes, disparam mísseis contra inocentes, chacinam inocentes a esmo, porque nada mais sabem ou ambicionam fazer das respectivas vidas.

Israel Bloom, amigo de Israel até debaixo de água.

João Monteiro disse...

Luís Lavoura.
Relativamente aos seus vários comentários vou, apenas, elucidá-lo acerca do uso da expressão "Judeia e Samaria". Creio que se faz de desentendido, argumentando com o tipo de argumentação de quem não tem argumentos.
“Judeia e Samaria” utiliza-se para referir a área geográfica que é designada habitual e, quanto a mim, erradamente, por “Margem Ocidental” ou “Cisjordânia” a qual, como sabe, abrange aquelas duas províncias de Israel, a da Judeia e a de Samaria. Como não gosto de usar as expressões “Margem Ocidental” ou “Cisjordânia”, para mim realidades geográficas virtuais, prefiro usar a expressão que, de facto, define aquela área.
Para seu mais completo esclarecimento, a cidade fica na província de Samaria.

Luís Lavoura disse...

João Monteiro,
fico assm esclarecido de que há duas províncias de Israel, com fronteiras bem definidas, uma designada Judeia e a outra Samaria. Obrigado pelo esclarecimento.