quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

O quotidiano

Eu não fiz nada. Não fui eu. O stor só repara em mim. Os outros também fizeram e não levaram falta. Não fui eu. Sou sempre eu. Meteram o meu filho de ponta. Eu não fiz nada. Não fui só eu. O stor mentiu. É mentira eu não fiz nada. Implicou com o meu filho. O meu filho não mente. Eu não fiz nada. É sempre para mim. Não atirei papeis. Não fiz nada. Está sempre a refilar comigo. O stores estão sempre a mandar vir. Eu não fui. O stor estava lá para ver? Eu não estava a falar. Eu fiz o trabalho. Eu estava com atenção. Eu não fiz nada. Não fui eu. O stor só repara em mim. Os outros também fizeram e não levaram falta. Não fui eu. Sou sempre eu. Meteram o meu filho de ponta. Eu não fiz nada. Não fui só eu. O stor mentiu. É mentira eu não fiz nada. Implicou com o meu filho. O meu filho não mente. Eu não fiz nada. É sempre para mim. Não atirei papeis. Não fiz nada. Está sempre a refilar comigo. O stores estão sempre a mandar vir. Eu não fui. O stor estava lá para ver? Eu não estava a falar. Eu fiz o trabalho. Eu estava com atenção. Eu não fiz nada. Não fui eu. O stor só repara em mim. Os outros também fizeram e não levaram falta. Não fui eu. Sou sempre eu. Meteram o meu filho de ponta. Eu não fiz nada. Não fui só eu. O stor mentiu. É mentira eu não fiz nada. Implicou com o meu filho. O meu filho não mente. Eu não fiz nada. É sempre para mim. Não atirei papeis. Não fiz nada. Está sempre a refilar comigo. O stores estão sempre a mandar vir. Eu não fui. O stor estava lá para ver? Eu não estava a falar. Eu fiz o trabalho. Eu estava com atenção. Eu não fiz nada. Não fui eu. O stor só repara em mim. Os outros também fizeram e não levaram falta. Não fui eu. Sou sempre eu. Meteram o meu filho de ponta. Eu não fiz nada. Não fui só eu. O stor mentiu. É mentira eu não fiz nada. Implicou com o meu filho. O meu filho não mente. Eu não fiz nada. É sempre para mim. Não atirei papeis. Não fiz nada. Está sempre a refilar comigo. O stores estão sempre a mandar vir. Eu não fui. O stor estava lá para ver? Eu não estava a falar. Eu fiz o trabalho. Eu estava com atenção.

2 comentários:

Amélia Saavedra disse...

Mude a k7... ;)

I. B. disse...

Mais uma prenda do Prémio Nobel do descaramento, cujo "Governo" durante 6 anos apontou o 'stor' como a nova encarnação do Diabo!

Mais os modernismos desresponsabilizantes Guterrianos, que os precederam. Lembro-me que no dia em que saiu a lei Guterres que proibia que se detivessem menores de 18 anos, houve logo arrastões na zona ribeirinha de Lisboa. Hoje é raro o dia em que não vemos nos jornais notícias de filhos que matam pais, avós, transeuntes, para comprarem "cavalo" ou para outros vícios. Começaram cedo a ser ensinados que os seus actos não traziam consequências.

Força e coragem...

I.B.