segunda-feira, 10 de janeiro de 2011

Dívida pública portuguesa 1850 - 2010

Clique na imagem para ampliar.
Repare-se na escalada da dívida a partir do início do governo de Sócrates.
Via Cachimbo de Magritte.

4 comentários:

Cirrus disse...

Eu prefiro realçar, além do óbvio desmando de Sócrates, que nunca aprendeu a letra da tabuada, a evolução de 1974 até aqui.
Mas há pormenores interessantíssimos a reter. Uma delas é efeito FMI - das duas vezes que cá esteve - praticamente nulo. Outro, interessante, o efeito entrada na UE, que durante sete anos equilibrou as contas, mas que,apesar de especialista económico, cavaco conseguiu destruir por completo no seu último mandato. O efeito governação Guterres, que é uma descida acentuadíssima, o efeito Barroso, de novo a escalada.
Confirma-se - tudo indica que os piores são os mais votados - Sócrates e Cavaco.

Cirrus disse...

Levy, só um reparo: por descargo de consciência, não quer corrigir o seu post? É que o início do Governo de Sócrates foi em 2005... Ou foi só o Sócretino que subiu?

David Levy disse...

Cirrus,


O gráfico é claro. Para trás obviamente que há responsabilidades, mas os últimos são sempre os mais responsáveis, pelo simples motivo que deixaram agravar a situação. E não se esqueça que foi num governo socialista que se assinou a adesão ao euro que impunha o tecto de 3% no défice e de 60% na dívida. Sócrates chegou ao poder para resolver esse problema, e não só não o resolveu, como ainda o agravou. O socialismo só funciona a gastar.

Cirrus disse...

Levy, este país com o seu lobby político só funciona a gastar. Para quê tapar o sol com a peneira? Há 36 anos que somos governados pelo centrão - 18 anos de PSD e 20 de PS...