quarta-feira, 22 de julho de 2009

Entrevista de Henrique Cymerman a Pilar Rahola

Henrique Cymerman no Mabat, o principal telejornal do canal público de televisão IBA, entrevista a jornalista espanhola Pilar Rahola galardoada com a "Ordem do presidente da Universidade de Tel Aviv".
Mais uma vez, esta corajosa jornalista denuncia a hipocrisia da extrema esquerda europeia e de alguns jornalistas, em relação ao conflito entre Israel e os palestinianos.
Entrevista em castelhano, começa aos 0:57.

6 comentários:

Anónimo disse...

Mais uma vez, esta corajosa jornalista denuncia a hipocrisia da extrema esquerda europeia e de alguns jornalistas, em relação ao conflito entre Israel e os palestinianos.
POSTADO POR LEVY ÀS
SENHOR LEVY AGRADECIA QUE ME DESFIZE-SE UMA DUVIDA.
QUAL ESTA EXTREMA ESQUERDA A QUE SE REFERE. MENCIONE ALGUNS DESSES PARTIDOS.
OBRIGADO:
UM NETO DE DEIR YASSIN

Levy disse...

@ Neto de Deir Yassin

Deveria perguntar isso à jornalista, as afirmações são dela. Na minha opinião Pilar refere-se ao PSOE e à IU em Espanha. Em Portugal há o BE e o PCP. Em França, os partidos auto-denominados "trotskistas" e "anti-capitalistas", também estão nesse sector.

Em relação ao facto de ser um neto de Deir Yassin, custa-me a acreditar que o seja, mas mesmo assim informo-o que o dono deste blogue é muito pouco impressionável por chavões "pró-palestinianos" e por vitimizações desse género.
Por isso, chantagens emocionais e frases feitas sobre "Sabra e Shatila", "refugiados" ou "plano Dalet", são uma perda de tempo. Ligo-lhes tanto como a nada.

Anónimo disse...

Infelizmente não é só a extrema esquerda europeia... uma boa parte do planeta está
do lado palestiniano, porque o antisemitismo
anda colado à pele dos dirigentes mundiais!
Veja-se o chefe "nazi" do Vaticano, um sau-dosista das juventudes hitlerianas que quer
colocar no pedestal dos santos aquele que,
durante a segunda guerra não quis denunciar
o Holocausto sofrido pelo povo judeu.
Um escritor português na Suíça.
26 de Dezembro de 2009 (tempos de paz?!)

Anónimo disse...

Não sou nem hipocrita nem anti-semita. Anti-sionismo!

David Levy disse...

@ anónimo

Anti-sionista significa que é contra a auto-determinação dos Judeus. É isso?

Anónimo disse...

devemos entender , isto é muito importante, que o antisemitismo é uma rweação hoje vista com naturalidade maior , haja vista, a falta de conhecimento daqueles que criticam mas sem base historica, politica, filosofica e ideológica se quiserem tambem. Antes era somente o Hitller, hoje as perseguições contra judeus vem não tão somente dos radicais islamicos e congeneres mas principal,menete de outras religiões e paises que praticam uma politica atrelada ao existencialismo material, onde o discurso tanto religioso como politico do messias salvador, gaz com que as pessoas se sintam prejudicadas e injustiçadas. Colocam as pessoas num patamat tão baixo , levam sua auto-estima tão pra baixo ai os chefes religiosos do islã são mais profissionais ainmda, que todos acham que a causa dos judeus , sua identidade , sua cultura e seus direitos não são merecidos. A palavra correta é o desmerecimento em relação aos judeus advindos de uma campanha internacional religiosa politica usando as pessoas menos esclarecidas (massas) jogando-as no fogo em nome de uma Deus e da injustiça
social. AS LIDERANÇAS POLITICAS E RELIGIOSAS (IGREJA CATOLICA, MULCUMANOS ETC ETC)USAM AS PESSOAS COMO ANIMAIS, NÃO TÊM NENHUM RESPEITO PELAS MESMAS . TANTO É VERDADE QUE FAZEM A LAVAGEM CEREBNRAL, PROMETEM 70 VIRGENS E O ENCONTRO DIRETO COM ALAY E AI ATE EU QUE SOU MAIS BOBO IRIA RISOS E ESTAS SE EXPLODEM , MORENDO E MATANDO INOCENTES. TUDO EM NOME DE DEUS E DE ALHAY É RUIM HEIM