domingo, 3 de abril de 2011

Do desperdício

Os mesmos que têm assistido impávidos e serenos à condução do país para a bancarrota, mostram-se agora muito puritanos com a possível utilização de cartazes na campanha eleitoral. A maioria dirá mesmo que é um desperdício gastar dinheiro dessa maneira e que mais valia que o dessem aos pobres
Esta despesa com as eleições, e por conseguinte com a democracia, parece ser a única que desperta nos portugueses  o sentimento de despesismo. Todas as outras lhes passaram ao lado: TGV, Aeroporto, Magalhães, Estádios do Euro2004, triplas Auto-estradas, institutos para os boys, consultadorias & assessorias, défices crónicos, empresas públicas, empresas municipais, etc etc etc (muitos etc).
Um país assim não vai longe, pois a demagogia e até um certo sentimento de desdém pelas eleições, imperam sobre a responsabilidade e a gestão rigorosa dos dinheiros do Estado. Não é por isso de admirar que os eleitores escolham sucessivamente governos que só sabem fazer contas de somar - operação na qual os socialistas são exímios - e que depois se foquem numa despesa marginal, dando uma de poupados. Cada um tem o que merece.

4 comentários:

Joaquim Simões disse...

http://aperoladanet.blogspot.com/2011/04/amadorismo-demagogia-ignorancia-cinismo.html

Anónimo disse...

Parecemos os bizantinos a discutir o sexo dos anjos, quando os turcos já escalavam as muralhas Constantinopla.
Uma coisa é certa, quem já está a comandar a temática da pré campanha eleitoral é a máquina de propaganda socrática com a cumplicidade dos seus aliados nos media. Ainda vamos ver Sócrates ganhar as eleições!
F.G.

David Levy disse...

@ F.G.

O PSD está a fazer o jogo que o PS mais quer: falar no FMI.
Depois de falir o país, o primeiro-ministro parece uma varina indignada com a possibilidade de o FMI vir. E como se isso não bastasse descabela-se a acusar o PSD de querer a sua vinda, quando foi a governação socialista que nos deixou neste estado. Só não vê isto quem for muito ceguinho, mas pessoas com os olhos abertos também não abundam.

Anónimo disse...

Realmente a inépcia dos estrategos do PSD é confrangedora, parece uma equipa de futebol amadora a jogar com uma equipa de profissionais. O pior é que o PSD, desde que Passos Coelho assumiu a liderança, não tem parado de dar oportunidades à propaganda do PS, é agora o FMI, foi a revisão constitucional, estão sempre a ir atrás da agenda do PS, dando-lhe a oportunidade de fugir a uma discussão séria.
F.G.