domingo, 25 de março de 2012

Tudo a postos

Shaul Mofaz ou Tzipi Livni: cada um dos 96 mil militantes do Partido Kadima irá colocar um destes dois papelinhos dentro do envelope de voto.

Centenas de urnas como estas serão espalhadas pelos 197 locais de voto existentes em todo o país.

Toda a logística é tratada na sede nacional em Petah Tikva.
Militantes estão a trabalhar há vários dias para que tudo fique pronto a tempo.



2 comentários:

Boaz disse...

As sondagens mostram quem nem Livni nem Mofaz têm gás para causar qualquer mossa a Netanyahu nas próximas eleições para a Knesset.
Livni está gasta como líder de um partido que já nasceu torto e realmente nunca encontrou o seu lugar no espetro político de Israel. E Mofaz tem uma âncora noutras ideologias políticas.
O partido deseja tanto ser do "Centro" que se torna um fraco emaranhado de ideias sem qualquer união.
Com os valores atuais, o Likud está confortável como o partido que ganhará as eleições. A questão é apenas com quem fará a coligação.

David Levy disse...

@ Boaz

Você escreveu aquilo que eu ia escrever daqui a 3 dias quando provavelmente Livni perder. O Kadima sofre das consequências de não haver centro na política: os seus eleitores são ou mais de esquerda ou mais de direita. Se um dia o Kadima rachar muitos voltarão para Haavoda e outros para o Likud.
Quanto ao Likud deverá fazer coligação com o Liebermann e com o Shas. Bibi ainda passará por esquerdista no seio do seu próprio governo...
Outra questão é saber para onde irá Ehud Barak, pois segundo as sondagens o Atzmaut não irá a lugar nenhum.