sábado, 8 de dezembro de 2012

Notícias da paz

Se fosse um político israelita que dissesse isto, o banzé que não seria. 

6 comentários:

I. B. disse...

Antes de vir aqui fazer a minha visitinha habitual, escrevi exactamente o mesmo no meu blogue.

João Monteiro disse...

Como refere o Embaixador de Israel nas Nações Unidas, Ron Prosor, o que há para negociar com este tipo de gente? A profundidade da sepultura, o tamanho do caixão, ou o tipo de flores a usar no funeral de Israel?
David, para reflexão de quem a isso estiver disposto, permita-me juntar apenas mais estas duas peças:
http://elderofziyon.blogspot.pt/2012/12/why-peace-is-impossible-reason-4821.html
e
http://elderofziyon.blogspot.pt/2012/12/the-world-really-needs-to-understand.html

zé sequeira disse...

Caro David

Há políticos israelitas - e você, pelo conhecimento que tem da realidade do país, saberá bem melhor que eu - que, mesmo que não o digam em público, também o pensam.
Grave seria se fosse o Abbas a dizê-lo; sendo quem foi, torna-se irrelevante.

Abraço

Luís Lavoura disse...

Tal como diz o último comentário, não faltam políticos judeus que pensam o mesmo. Têm é a discrição de não o dizer em voz alta (ou com tradução em inglês).

Lura do Grilo disse...

"não faltam políticos judeus que pensam o mesmo". Elevado pensamento! Se alguém não diz uma coisa que queremos basta afirmar que o querem de facto dizer. Tudo cabe dentro desta lógica.

Já dizia Che: “Não preciso de provas para executar um homem mas apenas de provar a necessidade de o executar”.

o castendo disse...

Como o autor do blog sabe muito bem há políticos em Israel que dizem e escrevem o mesmo.
Defendem a chamada Grande Israel (que incluiria o Líbano, a Cisjordânia, parte da Jordânia, Gaza, Sinai...).
Que tal procurar nos partidos religiosos, alguns dos quais já passaram por vários governos?