segunda-feira, 18 de janeiro de 2010

O que dizem os outros

A Tailândia deve ser dos poucos países no mundo que comemora com grande pompa o Dia do Professor. Como aqui se disse, ninguém se atreve levantar a voz perante um professor, ninguém discute, ameaça ou agride um professor. Hoje assisti a um longo documentário sobre o Wan Krú (o dia do professor) e fiquei profundamente tocado pela autenticidade do culto civil que é tributado aos docentes. O Primeiro-Ministro anula todos os compromissos de Estado e dirige-se à Casa do Professor - instituição que acolhe velhos mestres que mantiveram celibato e não têm família - e ajoelha-se demoradamente perante as suas velhas professoras, oferecendo-lhes flores e recebendo um afago na cabeça, como se regressasse aos sete anos de idade. Nas escolas e liceus, formam-se fileiras e, um a um, os alunos genuflectem perante os seus professores e agradecem tudo quanto estes lhes deram. (continue a ler)
Por Miguel Castelo Branco, no Blogue Combustões.

4 comentários:

Cirrus disse...

Tailândia??

Será que os professores também ensinam às miúdas como aderir ao turismo sexual?

;)

Combustões disse...

Está ASOLUTAMENTE ERRADO. Essa coisa da prostituição infantil acabou há muitos anos e agora os clientes dessa porcaria - amiúde virtuosos europeus e americanos - voltaram-se para o Camboja. Deve saber que essa praga foi trazida pelos GI's americanos que aqui passavam fins de samana durante a guerra do Vietname. Hoje, a mão é pesadíssima sobre esses tarados: são fotografados e exibidos na tv e primeira página dos jornais e está-lhes destinada pena de 15 anos de prisão. Os europeus que se virem para a Europa, sobretudo para o Leste, e vejam o que acontece todos os dias.

joshua disse...

Brilhante e Modelar! Abraço a ambos, Levy e MIguel!

Levy disse...

@ joshua

O mérito é todo do Miguel. lol

Abraço.