sábado, 16 de janeiro de 2010

Tradutores de "alegrês" precisam-se

“mais que uma visão contabilística e tecnocrática, é preciso uma visão política, com abertura de espírito, inovação e criatividade. Mudar a economia, mudar o sentido da política, mudar a vida. Capacidade de invenção, poder de inspiração”.
O discurso oco, redondo e pouco preciso, que domina alguns sectores da vida portuguesa, está na corrida para se instalar no Palácio de Belém, um dos poucos locais ainda a salvo dos lunáticos palavrosos. Nos próximos tempos, uma nova classe profissional emergirá: a dos tradutores de "alegrês"/português.

3 comentários:

Range-o-Dente disse...

... a matemática do homem novo.

Ramiro Marques disse...

Levy
Coloquei o teu blog na minha lista - blog roll - do ProfBlog.
Não queres escrever um guest post sobre a educção em Israel?

Levy disse...

Olá Ramiro,

Obrigado pelo destaque.
Sobre o convite, não sei se conseguirei fazer isso, porque não domino a educação em Israel. Posso tentar fazer. Sobre esse assunto a única coisa que escrevi foi isto:

http://lisboa-telaviv.blogspot.com/2009/08/israel-novas-regras-contra-indisciplina.html