terça-feira, 5 de janeiro de 2010

Onde é que você estava no 25 de Abril?

«Não podemos esperar pela recuperação económica para reduzir o défice orçamental», disse o governador do Banco de Portugal.
Constâncio está de saída, ao que parece para um exílio dourado, mas só agora reparou que o governo socialista deixou crescer um défice orçamental gigantesco. Durante meses, assistiu em silêncio à degradação das contas do estado. Com isso deu a sua caução a todos os disparates feitos pelo governo, desde a justificação apresentada pelo primeiro-ministro para o crescimento do défice, "promover o investimento público para acelerar a recuperação económica", até aos sucessivos anúncios do fim da recessão. A tudo isto Constâncio disse zero. Agora, com o maior dos à vontades, vem contrariar tudo aquilo que caucionou, admitindo não só que o aumento do défice não provocou a recuperação económica, como também que a recuperação económica não existe. O que andou Constâncio a fazer durante o ano de 2009? Onde é que ele esteve? Poder-se-ia dizer que andou a supervisionar a actividade bancária, mas pelos casos que se conhecem, não foi com isso que ocupou as tardes. Constâncio passou este tempo todo a fazer um grande favor ao Governo (coisa alias que já faz desde o famoso défice de 6,83%): não só anuiu na loucura despesista dos socialistas, como agora aparece a preparar o terreno para as correcções difíceis que terão de ser feitas.
José Sócrates só corrige as contas do Estado depois de mandar o Governador do Banco de Portugal dizer que é preciso corrigi-las. Constâncio, como bom pau mandado que é, tem-lhe feito a vontade.

2 comentários:

Mil Ideias disse...

O Sr. Vitor Constâncio agora como vai acabar de encher os bolsos para outro lado (mesmo cá já recebia um ordenado super principesco)começa a "desmascarar" um bocadinho o jogo.Pena que assim seja!!!
Curiosidade: com a crise em que estamos mergulhados onde aparece tanto €€€€ para gastar nos saldos???

Levy disse...

@ Mil ideias

Aparece da dívida. As pessoas endividam-se para ir aos saldos. Acho que até já bebem café a crédito.