domingo, 4 de dezembro de 2011

Só falta o Valter Lemos

Uma lista de personalidades lançou um Manifesto pela Educação Pública. Com poucas excepções é tudo gente da coligação PS/PCP/BE que muito ajudou a enterrar o ensino público em Portugal. Para o naipe ficar completo só faltam o Valter Lemos e a Maria de Lurdes Rodrigues porem lá a sua chancela .
Muitos dos subscritores ainda não se deram conta que estes manifestos são absolutamente irrelevantes, em grande parte porque estão associados ao chamado pensamento mágico que domina a ideologia política da esquerda portuguesa e que conduziu o país à bancarrota.

3 comentários:

Luís Palma de Jesus disse...

«pensamento mágico».

boa etiqueta. muito descritiva muito simples e muito eterna (e bem adaptada do inglês).

vai ficar com certeza!

Albino Moura disse...

Sou estrangeiro (brasileiro) residente em Portugal há 12 anos. Sou leitor do vosso blog apenas por saber que é importante ouvirmos o contraditório, mas acredito que acima de tudo é muito mais importante agir com honestidade!

Não tenho simpatia por nenhum partido político pois acredito ser muito mais importante acreditar nas pessoas, até que estas nos provem o contrário.

Por isto gostaria de entender por qual motivo foi omisso no texto a participação dos governos PSD e CDS/PP neste estado de coisas, ou os políticos destes partidos serão mais honestos que os outros? Eles também governaram este país e tiveram participação ativa em todo este processo que nos arrasta para o descalabro.

David Levy disse...

Caro Abílio Moura,

Obrigado pelas visitas e pelo comentário.

Sobre ele tenho a dizer o seguinte:

- Este blogue aceita o contraditório e já aqui tem sido criticado o Governo do PSD/CDS;
- Em matéria de Educação é mais difícil criticar estes dois partidos porque a ideologia política que tem dominado essa área desde o 25 de Abril de 1974 é de facto a ideologia da esquerda. Na Educação até é conhecida por "eduquês" ou "escola socialista".
- O PSD teve grandes responsabilidades no estado da Educação, porque deteve a pasta até 1995 e depois durante um curto período entre 202 e 2005. Infelizmente este partido deixou-se contaminar pela ideologia esquerdista para o ensino e até 1995 aplicou a mesma cartilha. Tal não aconteceu entre 2002 e 2005, porque o ministro da altura - David Justino - apercebeu-se do desastre que as coisas levavam. Na minha opinião o PSD deixou-se contaminar pelas ideias da esquerda não tanto por convicção, mas principlamente por não ter ideologia para o sector;
- Já com o CDS as coisas não foram assim: este partido nunca teve grandes responsabilidades no ministério da Educação e verdade seja dita foi o único a não ser contaminado pelo 'eduquês'. Se tiver responsabilidades no assunto, é porque não denunciou o estado das coisas com a veemência necessária.

Mas como lhe disse esta é a minha humilde opinião, que discordar pode argumentar o contrário.