terça-feira, 28 de agosto de 2012

Judenhass

 (Clique na imagem para ampliar)
Qualquer que seja a notícia, basta ter escrita a palavra Israel para imediatamente ficar cheia de comentários como este. Por muito que se tente dourar a pílula, a verdade é que passados quase 70 anos sobre o Holocausto há muita gente que concorda com o que Hitler fez aos Judeus. Um exemplo chocante, mas ao mesmo tempo elucidativo, do que é o antissemitismo.

6 comentários:

Paulo Barros disse...

Olá David,
Obrigado.

De vez em quando também vou a teu Blog, não tanto como dantes. Sabes que não concordo com muita coisa. De qualquer maneira não deixa de ser interessante ver as entradas e a ironia que usas muitas vezes.

Um abraço

Paulo

Anónimo disse...

A Ignorancia, como expressa na imagem, e' o pior flagelo que existe. O mundo esta' cheio deste tipo de gente, cujo sonho e' usarem o pristino uniforme de SS-Obersturmbannführer que Rudolf Höss usou e ladrarem ordens que separam maes dos filhos, que pontapeam velhos de oitenta anos e que esbofeteiam criacas de tres. Esta gente gente nao merece, efectivamente, tempo, tout court

RockyBalbino disse...

Muçulmanos pretendem destruir Pirâmides do Egito

Conforme publicação do jornal inglês Daily Mail, um grupo de muçulmanos responsável pela reforma do islã aos tempos atuais, conhecido como salafistas, estão decididos a demolirem as pirâmides do Egito, pois as estruturas seriam símbolos do paganismo no país.

A sugestão teria sido enviada por Abd al-Latif al-Mahmoud, xeque sunita e Presidente da Unidade Nacional do Bahrein ao presidente egípcio Muhammad Morsi.

Com a iniciativa, os religiosos pretendem terminar o trabalho de Amr Bin al-As, aliado de Maomé, que invadiu o Egito no ano de 642, e destruiu artefatos egípcios.

Amr ainda foi o protagonista da destruição da Biblioteca de Alexandria, tida como um centro de conhecimento do mundo antigo.

Os historiadores contam que Amr não conseguiu destruir as pirâmides na época, porque não havia meios para abalar as estruturas maciças das pirâmides.

Para reformar ou manter a cultura do islã, os muçulmanos já destruíram símbolos do passado religioso de seus ancestrais em vários países africanos e do Oriente Médio.

Fonte: The Christian Post

Anónimo disse...

Não muito diferente do que pretendia o rabi chefe do exército israelita, quando pediu a destruição da mesquita Al-Aqsa, no Monte do Templo, em 1967, aquando da conquista de Jerusalem.
Idiotas extremistas há em todas as religiões, infelizmente.

DL disse...

O caro anónimo mistura alhos com bugalhos.

Por muito imbecil que seja a sugestão da destruição de uma mesquita, não tem comparação com o gaseamento de pessoas...

Anónimo disse...

Nós Ocidentais orgulhamo-nos das nossa origem Greco-Romana. Por vezes pergunto-me se não terá sido a Beócia o berço da Civilização Ocidental.