domingo, 20 de julho de 2014

Israel: da fábula e da realidade

Texto de Lior Keinan, Primeiro Conselheiro da Embaixada de Israel
Publicado também no semanário Expresso


Há uma famosa fábula em que um escorpião pede a um sapo que o transporte às costas até ao outro lado do rio.

Tendo o sapo medo de ser picado pelo escorpião durante a travessia, o escorpião explicou-se que se o picasse, morreriam os dois. O sapo acaba por concordar e começa a travessia. A meio do caminho o escorpião pica mesmo o sapo condenando ambos a uma morte certa. Quando o sapo perguntou o porquê, o escorpião respondeu: «Bom, é a minha natureza.»

Israel evacuou completamente de Faixa de Gaza em Setembro de 2005. Até as campas levámos connosco. Poucos meses mais tarde, em Janeiro de 2006, o Hamas ganhou as eleições. A partir daí e desde há 8 anos e meio teve a possibilidade e a oportunidade de melhorar e mudar dramaticamente a vida da sua gente, por exemplo, usando a generosa ajuda internacional (só a União Europeia doa, por ano, meio bilião de Euros aos Palestinianos).

O Hamas escolheu um caminho diferente. Ao invés de construir hospitais utilizou o cimento para construir túneis para Israel para assim raptar soldados e civis. O metal não é usado para fazer parques infantis mas para construir milhares e milhares de mísseis, 10 mil dos quais já foram disparados contra Israel, 1500 só nos últimos dias.

Ao invés de investir em infraestruturas como estradas e pontes, o seu orgulho reside em construir outro tipo de infraestruturas – debaixo do chão - centenas de bunkers onde os terroristas do Hamas se escondem neste preciso momento enquanto ordenam ao seu povo que vá para os telhados servir de escudo humano e ameaçando mesmo aqueles que Israel avisou que é perigoso se ficarem.

Mas nesses 8 anos e meio o Hamas não teve disputas apenas com Israel. Durante este período também se confrontou violentamente com a Fatah expulsando-a de Gaza (literalmennte, dado que atiraram oficiais da Fatah de cima dos telhados) e entraram num conflito armado com o Egipto depois de tentarem desestabilizar a Península do Sinai ao apoiar os guerrilheiros Jihadistas lá.

Porque é que o Hamas faz isto? Porque é que semeia terrorismo e destruição aonde quer que vá? Porque é que continua a picar o povo de Gaza enquanto os civis os levam às costas como o sapo da fábula? Bom, porque é essa a sua natureza.

2 comentários:

Anónimo disse...

Se dividissem a ajuda internacional pelo número de cabeças, para além de não terem de fazer nada para viver, ainda viviam que nem uns nababos.
Dá que pensar de facto; isto não é gente, são uns animais mascarados de seres humanos.
Só não percebo é porque os cobardolas dos nossos políticos insistem em mandar para lá o dinheiro dos nossos impostos.
JM

I. B. disse...

Roubei :)

E subscrevo as palavras de JM.

I.B.