segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Estalinismo


O jornal britânico The Guardian omitiu os nomes de Menahem Begin, Yitzhak Rabin e Shimon Peres, da lista de laureados com o Prémio Nobel da Paz, que publicou on-line. Só depois de muitos protestos é que emendaram o "erro". História em detalhe aqui.

5 comentários:

Range-o-Dente disse...

... e, de vez em quando, tenho a lata de pensar que já vi tudo ...

Cirrus disse...

Então, mas... o de Rabin não foi o que foi a meias com o Arafat??

Daniel Santos disse...

lapsos... enfim...

Levy disse...

Cirrus,

Não foi a meias. Arafat dividiu o prémio com Rabin e Peres. Arafat recebeu um prémio por ter firmado os históricos acordos de Oslo. Quando se apanhou na Faixa de Gaza, fez tudo para os destruir. Mais: com a sua atitude beligerante, Arafat não defraudou apenas os palestinianos, colocou os líderes da esquerda israelita em cheque. Até hoje, nunca mais se refizeram do tombo.
Quanto a Rabin, como sabe pagou com a vida a assinatura dos acordos.
De Peres não é preciso falar, porque o seu currículo fala por ele. Foi dos primeiros a perceber o sarilho em que Israel se estava a meter, e o primeiro a falar em paz com os palestinianos.
Comparar Rabin e Peres com Arafat, é no mínimo de mau gosto.

Cirrus disse...

Opiniões, meu caro, opiniões...