sábado, 12 de dezembro de 2009

Irresponsável

Já não há muito mais a dizer sobre os irresponsáveis que governam Portugal quase continuamente desde 1995. Há 10 anos, o actual primeiro-ministro dizia dos estádios de futebol, o que diz hoje do TGV. Os estádios foram feitos, gastou-se o dinheiro, e o resultado ficou à vista de todos: não servem rigorosamente para nada. Desse governo (de Guterres), ficou um monstro de despesas, compromissos, "direitos adquiridos", e, pior do que tudo, laxismo e falta de rigor. Ficou, porque quando viu que não conseguia contornar a situação por ele criada, Guterres fez o mesmo que os ratos, abandonou o barco. Sócrates fugiu pela mesma corda.
Depois de um curto interregno, os mesmos do Largo do Rato voltaram, com as mesmas ideias e com o mesmo estilo: daremos tudo a todos, gastaremos o que não temos, e endividaremos o país mais três gerações. As duas últimas cumpriram, e continuam a cumprir, até que alguém feche a torneira. Da primeira, fizeram umas "distribuições" demagógicas, como é o caso desses computadores que andam a dar nas escolas, e uns "cheques" estilo dentista e afins. Porque dar tudo a todos, é uma coisa que os socialistas muito apregoam, mas não conseguem fazer. Excepto talvez o empobrecimento geral, mas mesmo nisso há uns que se vão governando com robalos e outros peixes.
Chegado a este ponto, o que faz o primeiro-ministro? Continua apregoar "investimento público", de rentabilidade duvidosa, mais dívida, e mais betão. Precisamente a política que levou Portugal até este ponto. Cada vez fica mais patente que o Governo é liderado por um irresponsável, que não faz a menor ideia do que está a fazer, e que só sabe governar de forma demagógica, com "anúncios" e "soud bites" para português ver.

5 comentários:

João António disse...

Meu caro o investimento que o primeiro ministro fala, é o endividamento do estado ás empresas amigas ou onde estão os amigos !
Bom fim de semana

Levy disse...

@ João António,

Claro, ele não está no governo para governar, está lá para tratar da vida dele e da dos amigos e dos xuxas em geral.

Bom fds!

Anónimo disse...

Contribuição para o esclarecimento, já que as queixinhas não adiantam (ainda por cima os tugas não votam contra, gostam de ser roubados).

Do ponto de vista técnico, os comboios pendulares são superiores ao TGV em tudo, menos na velocidade.
Os comboios pendulares foram desenvolvidos posteriormente, mais modernos, mais eficientes, mais baratos - apenas mais lentos - e foram desenvolvidos justamente para lidar com o enorme desperdício energético dos TGV - no essencial, a solução destes é força bruta, potência = velocidade.

Claro que o regime não incluiu (ou não divulgou) nos "estudos" qualquer comparação com os pendulares:
- quanto custaria fazer tudo o que se quer, em bitola europeia e em pendular (e comparar com o TGV), e quanto demorariam essas viagens.
- fazendo as comparações em proporção, não ficaríamos a perder.

E de resto, como até os mais ignóbeis mentirosos do regime sabem, jamais a ligação TGV Lisboa-Madrid demorará apenas 2h45, ou a ligação TGV Lisboa-Porto custará 40 euros.

E quem, no seu perfeito juízo, escolheria ir à "Europa" - Paris, para começar - de comboio?
Os ricos escolhem o avião porque demora muito menos tempo.
Os pobres escolhem o avião porque é muito mais barato.

M.cumprimentos

Levy disse...

Caro anónimo,

Tudo o que escreveu é muito acertado. Os pendulares não são aqueles comboios que circulam na linha do norte? Aquela que custou 1000 milhões de euros a modernizar e que em algumas zonas os comboios têm de ir a 10 km hora.

Anónimo disse...

Caro Levy,
exactamente! A pergunta incluía "quanto custa pôr os pendulares a circular em toda a linha do norte a 200km/h?". Mesmo com bitola europeia etc.
A intuição diz-nos que seria menos que uma linha nova, mas só com números podíamos verificar.