quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

A UNICEF relata que...

... a subnutrição infantil nos territórios palestinianos atinge 10% das crianças. Um resultado surpreendente e muito melhor do que o verificado nos outros países árabes, alguns deles incrivelmente mais ricos:
Líbano - 11%
Jordânia - 12%
Omã - 13%
Emirados Árabes Unidos - 17%
Arábia Saudita - 20%
Kuwait - 24%
Iraque - 26%
Síria - 28%
Egipto - 29%
Iémen - 58%
Tunísia : 6%
Qatar : 10%
Bahreïn : 12%
Argélia : 15%
Líbia : 17%
Marrocos : 36%
Este relatório deita por terra o discurso do "gueto" e dos "campos de concentração palestinianos".

5 comentários:

Anónimo disse...

...de onde se conclui?...

Levy disse...

Que as crianças palestinianas têm melhor nutrição que as outras. E que o "bloqueio" israelita não passa de propaganda.

Anónimo disse...

Que os árabes sejam filhos de suas mães não justifica que a tribo mais amada do Senhor
não justifique essa preferência.
http://www.elpais.com/articulo/internacional/matar/bebes/legitimo/elpepuuint/20091119elpepuint_5/Tes ou onde se prova que a tribo favorita do Senhor é tão alemã quanto as menos amadas tribos do Senhor os hutus ou os sérvios, ingleses, franceses, belgas, espanhóis, portugueses, turcos, templários e os outros todos que têm deixado páginas edificantes na História.

Anónimo disse...

Que tal um estudo genético mundial para saber o mais aproximadamente possível as origens de cada grupo humano?
Sendo que a universidade de Tel Aviv chegou à conclusão que na área onde nasci, a população é de origem europeia em 50%, judaica em 32% e árabe em 18%, o que faz de mim um mestiço, presumo que estarei no lugar certo, agora sendo que os europeus também são migrantes ainda vou ter que reclamar a Mongólia ou coisa que o valha. Bem, os israelitas têm a coisa mais fácil já que o território que oucupam foi-lhes destinado pela Suprema Divindade Criadora. Dá sempre jeito ter amigos bem colocados. Só mais uma coisinha: os àrabes não são os descendentes da escrava do tal ancião que não tinha filhos e que deve permissão para se reproduzir com a dita e que finalmente pode ser pai com a respectiva dando origem a esta "tramóia" toda? Ou seja que os meios irmãos não tiveram direito a nada. Hoje essa história não passaria em tribunal!!! Mas também não teria importância: os tribunais gentios têm tanta importância como a poeira da estrada.

Range-o-Dente disse...

Pois. É justamente esse o problema. Já não bastava que os únicos árabes do mundo que vivem em democracia fossem os que vivem em Israel, ainda por cima ...