domingo, 31 de outubro de 2010

O candidato nacional-porreirista

Há um candidato presidencial - Fernando Nobre - que acha normalíssimo dever um mês de renda. E como se isso não bastasse,  ainda diz  que não está minimamente preocupado com o assunto e que está de consciência tranquila. Um típico caso de "nacional-porreirísmo", esse desporto nacional que consiste em viver num estado de despreocupação e de falta de rigor com a coisas. 
Quem está a destoar no mar de cidadania e humanidade da candidatura de Nobre, é o senhorio, que teve o desplante de reclamar o que é seu. Já devia saber que quem é de boas contas, e se mete com os paladinos da solidariedade, não só passa por mau da fita, como se arrisca a ficar sem o dinheiro.

3 comentários:

Ramiro Marques disse...

Esta é uma cena fantástica mas que reforça a minha opinião sobre as ONG.

Daniel Santos disse...

Como já nos comentamos um ao outro faz tempo, numa saudável convivência blogosférica, permite-me dizer que discordo em toda a linha.

Fernando Nobre apenas surge nas noticias quando é para ser criticado, o chamado bota-abixo, uma coisa parecida com o nacional-porreirismo.

Fico feliz que todos os outros candidatos, Cavaco e Alegre, que têm verdadeiras máquinas empresariais por de trás não tenham problemas destes. Fico feliz que eles gastem milhões em propaganda e não tenha de se preocupar com miudezas como rendas.

Estou realmente feliz que este país se mantenha no mesmo caminho de sempre, cilindrando quem possa fazer sombra.

David Levy disse...

Caro Daniel,

Discorda à vontade :) Não há cá essas coisas, cada um diz o que pensa.
Mas deixa-me reforçar a minha ideia.
A renda não é uma miudeza para o senhorio. Um tipo que quer ser PR não pode ter rendas em atraso, e quando confrontado com isso, declarar que não está preocupado com o assunto.
Nobre não consegue sequer gerir a sua campanha, quanto mais ser presidente da república.
Mas mais grave que isso, é Nobre aparecer num certo tom moralista a falar de certas coisas, mas depois verifica-se que deve dinheiro.
Parece aqueles políticos americanos muito pelos bons costumes, e que depois são apanhados com prostitutas, muitas delas menores...