quinta-feira, 31 de março de 2011

170 000 000 000

É o tamanho da factura deixada pelo governo de José Sócrates. Em 2005 o  valor era metade deste, o que significa que em 6 anos, para além de falirem o país,  os socialistas estoiraram tanto dinheiro como todos os governos desde o de D. Afonso Henriques.

16 comentários:

prof ramiro marques disse...

Nem mais. Para encontrar um governo tão mau e irresponsável seria necessário regressar a Afonso Costa que, por sinal, também era socialista.

joshua disse...

Coisa espantosa que ficará nos anais, caro David. שלום!

Cirrus disse...

Apesar do fundamento estar certo, e os números não mentem, o argumento parece-me inteiramente falacioso. É óbvio que ninguém gastou o mesmo em 6 anos que todos desde o Afonso nosso fundador.

Para dar um exemplo rápido, o valor de subsídios recebidos da então CEE entre 85 e 95, contando com a inflação, é o quase o triplo deste valor... E que eu saiba, esse também foi gasto... Ou não?

David Levy disse...

Cirrus

Não falei em gasto, falei em estoiro, ou se quiser em dívida.

fiat lux disse...

Então se falou em dívida... não vale a pena estar a proteger ninguém. O Cavacão aumentou-a para o triplo.

CAVACO (em milhões de Euros)
1987 - 19.049
1995 - 54.379

SOKAS
2005 - 94.843
2011 - 170.000

Infelizmente, isto vem muito detrás, o Sokas sozinho não conseguia enterrar-nos tanto. E agora teve que refazer as continhas por causa do golpe BPN/cavaquistas (de que muito cara-de-pau usufruiu sem remorsos e a assobiar para o lado, a começar pelo excelentíssimo. Nós agora pagamos as vivendas).

Para que conste: o Ken acabou de dizer que temos excesso de austeridade.
AFINAL, criatura, como é? Tem a ver com os dias pares e ímpares ou com qualquer 'período do mês'?

Isto é um verdadeiro drama, entalados entre a frigideira e o lume.

Anónimo disse...

Nao terá isto que ver com a crise económica mundial. Acham que se estivesse outro governo no poder a coisa seria diferente? Acham que Portugal tem sobernaia económica em relaçao ao mundo globalizado? O "comércio livre" e a globalizaçao nao iriam trazer prosperidade aos povos? Pois aqui está!!!

Cirrus disse...

Ah, bom... Gastar o que não se tem é mau. Não discuto - é mesmo. Mas gastar o triplo que nos deram (nem sequer era nosso...) é bom... Boa teoria.

David Levy disse...

@ Fiat,

e não acha estranho que depois desse descalabro de que fala, venha um governo a seguir e ainda agrava brutalmente o problema?

A mim o que me faz confusão é que cada vez que alguém acusa os socialistas de gestão ruinosa, aparece logo uma claque a dizer que "O Cavaco é que não sei quê..." Quem está lá é o PS, o PSD, quer goste ou não, já foi penalizado nas urnas pelas asneiras que fez. O que se trata agora é de penalizar o PS, e não de o desculpar com o que o Cavaco Fez há 20 anos...

PS- está-me a chamar "criatura"?

David Levy disse...

@ Cirrus

Eu não aprovo nenhum tipo de gestão ruinosa. Mas não se esqueça de uma coisa: até 2001 crescemos economicamente. Faz toda a diferença.

fiat lux disse...

Caro Levy

Espero que me faça a justiça de não pensar que criatura era para si. Eu critico ideias mas nunca as pessoas que as exprimem correctamente.
Era uma pergunta retórica dirigida ao P. Coelho, para que decore o papel de vez e não diga uma coisa diferente dia sim, dia não.

É claro que quem lá está é o PS, que vai ser também penalizado nas urnas, mas isso não lava as responsabilidades que tem, isso é que era bom! Assim como não lava as do Cavaco, tira-lhe é moralidade para criticar os outros. É completamente descabido que o PSD ande agora a bater piamente com a mão no peito como se estivéssemos de repente a viver uma situação inédita. Parece que este particular - gastar à tripa forra o que não lhes pertence, esbanjar por amigos e até recolher alguns dividendos - não tem propriamente a ver com ideologia mas com o tal pote onde todos eles vão cheios de sede. Sem o empurrão do passado não estávamos onde estamos, tenham sido castigados nas urnas ou não. O castigo que eles tiveram e estes vão ter não nos tiram dos apertos nem da necessidade de termos de pagar, nós, com o nosso dinheiro, o que distribuíram por si e pelas claques.

fiat lux disse...

Pois, depois de 2001 deixámos de crescer economicamente mas os agora virgens PSD/CDS continuaram a gastar alegremente.

2001 - 68.604 m€
2004 - 84.026 m€

Vê-se que esta gente tem cá uma autoridade para julgamentos morais!Apresentam-se como alternativa salvadora com uma candura comovente!
O Barroso desde que emigrou parece que passou uma esponja sobre o que ficou para trás e nunca mais abriu a boca para dizer ai. Anda agora aflito com a trapalhada que o PSD lhe arranjou.

André Miguel disse...

Porreiro pá!
Só me questiono como é possível existirem ainda 30% de inteligentes que votam novamente na criatura.

Cirrus disse...

Levy, tem a certeza de que crescemos? Lembre-se que o défice em 1995, por exemplo, era de 12%... É como tudo.

Eu cá acho que somos mal governados. E vão 36 anos. Há 70% de burros neste país que insistem constantemente nesta desgraça...

Rantanplan disse...

@FIAT

Cavaco aumento a dívida para o triplo partindo duma base muito baixa, num país onde tudo havia para fazer, com taxas de crescimento de 6-7% e taxas de desemprego inferiores a 7%, chegando a 4% nos primeiros anos. Chegavam empresas todos os dias a Portugal, havia esperança, raça e fibra. E agora??? Que tem o país do Sócrates a ver com o país do Cavaco?

fiat lux disse...

Rantanplan

A Irlanda tinha muito melhores indicadores do que o governo do Cavaco, mas de endividamento em endividamento deram com os burrinhos na água. E sempre o mesmo partido desde o início, o que mostra que, desde que começou esta corrida ao capital aparentemente fácil, todos são responsáveis. Não vale a pena fugir por aí. Não é por acaso que os donos da Europa ficaram chateados com o chumbo do PEC. Eles sabem que a ordem dos factores é completamente arbitrária.

fiat lux disse...

Rantanplan

A Irlanda tinha muito melhores indicadores do que o governo do Cavaco, mas de endividamento em endividamento deram com os burrinhos na água. E sempre o mesmo partido desde o início, o que mostra que, desde que começou esta corrida ao capital aparentemente fácil, todos são responsáveis. Não vale a pena fugir por aí. Não é por acaso que os donos da Europa ficaram chateados com o chumbo do PEC. Eles sabem que a ordem dos factores é completamente arbitrária.