domingo, 6 de fevereiro de 2011

O amigo do Hezbollah

Um dos comentadores do Eixo do Mal, Daniel Oliveira, conseguiu fazer uma coisa extraordinária: em duas simples frases defendeu a Irmandade Muçulmana, o Hezbollah e o Hamas. Disse ele que é preciso integrar a IM no Egipto, da mesma maneira que se integrou o Hezbollah no Líbano. E que foi um grande mal para a Palestina, a ostracização e não integração do Hamas. Com este tipo de referências, o programa 'Eixo do Mal' faz cada vez mais jus ao nome que tem.

11 comentários:

HAPPYSURFER disse...

O hezbollah está tão integrado no Líbano que ele é...o dono do Líbano! Os Cristãos deixam o Líbano pouco a pouco e esse estado, que era um modelo, que chamávamos a Suíça do Médio Oriente, é agora um estado muçulmano, e mais do que isso: uma República islâmica.
Temos agora, em Israel, mais um inimigo à Norte.
Quem não entendeu que não há possibilidade nenhuma de conviver com essa "religião" está perdendo tempo, e a luta que aparecerá mais tarde será mais feroz.
Basta de estupidez, basta de inocência, tenham consciência da realidade! O combate já começou, abram os olhos!
Quem se pretende jornalista e continua escrevendo mentiras, desinformando a população não passa de um palhaço e deveria ser demitido

Anónimo disse...

É extraordinária a leviandade com que essa criatura pronuncia dislates sobre qualquer assunto, da economia à política internacional! É a cassete bloquístico/politicamente correcta no seu melhor! Claro que a realidade nunca é para ali chamada e quando contraria a "fé" Oliveirista, tanto pior para a realidade!
F.G.

Cirrus disse...

Infeliz, efectivamente. Quem não entende, de uma vez por todas, que religião e política devem permanecer separados, não sabe o que se passou na História Mundial.
A religião pode existir, não lhe nego o direito à existência. Não deve imiscuir-se em assuntos políticos. Dá sempre muito mau resultado.

fiat lux disse...

E porque é que há-de ser bom ser-se pró-israelita e mau ser-se pró-palestiniano? Nasceram com uma estrelinha na testa que force os outros a dar-lhes razão independentemente das atitudes que tomam?

David Levy disse...

Mas quem é que afirmou uma coisa dessas?
Se ser pró-palestiniano é defender um estado para os palestinianos, então eu tb sou pró-palestiniano.
O problema é que ser pró-palestiniano é ser cada vez mais pró-hamas, pro-hezbollah, etc...

Daniel Santos disse...

bem visto.

fiat lux disse...

E ser-se pró-Israel é ser-se cada vez mais pró-Likud/Bibi. E daí?

David Levy disse...

Meu caro Fiat

Agora a desculpa é o Likud... quando estava o Kadima, vocês diziam precisamente a mesma coisa. São anti-israel independentemente de quem esteja.

fiat lux disse...

Poupe-se à choradeira babosa do anti-semitismo, please. Deixe esses cartazes para o pessoal da trincha e balde de cola.

David Levy disse...

Não é "anti-semitismo" que se diz, é "anti-sionismo", que é precisamente a mesma coisa, mas soa melhor. Nem estava a pensar nisso quando lhe respondi.
Você devia fazer o mesmo: deixar essa verborreia anti-sionista para os outros. Ah e também o aconselho a estudar melhor as datas do conflito. Se as souber vai parecer que sabe do que está a falar.

fiat lux disse...

Pois, mas é que eu não me contento em parecer que sei, se não nota é porque tem a vista pouco apurada.

Bom, se quer limitar-se a andar com a trincha de um lado para o outro, é consigo.

Tantos conselhos... O Loureiro dos Santos nem sabe o que perde se não passar por aqui.