sábado, 5 de fevereiro de 2011

Vai haver despedimentos na Função Pública

Hoje na Convenção da FAUL o primeiro-ministro fez um discurso carregado de demagogia, e cheio de fantasmas. Entre vários dislates declarou que não vai haver despedimentos na Função Pública, e que vêm ai os mauzões do PSD, que querem privatizar a Educação e a Saúde. Dois exemplos perfeitos da aplicação da Regra Sócrates: se ele diz que não haver despedimentos, é porque vai, se ele diz que o PSD é liberal e vai vender tudo, é porque não é e não vai. Nunca falha, e neste caso também não.
José Sócrates habituou-se a falar para um conjunto de pessoas - os portugueses - que trata como sendo umas acéfalas, e que sabe que são altamente dependentes do Estado. Uma mistura de que se tem servido como ninguém. Não é por acaso que não tem qualquer pudor em estar permanentemente a levantar o papão da privatização dos serviços públicos e dos despedimentos na Função Pública. O primeiro-ministro sabe que entre os milhões de dependentes do Estado, há centenas de milhares que se assustam com o que ele diz. Esses eleitores - dotados de poucos neurónios e dependentes do cheque do Estado Social(ista) - são o seu seguro de vida. É para eles que irá falar daqui até às eleições. Apesar da verificação constante da Regra Sócrates.

4 comentários:

Anónimo disse...

Se ele diz que não, vão haver despedimentos de certeza!
Os funcionários públicos que se acautelem!
F.G.

Anónimo disse...

Vai haver e tem que a haver.

David Levy disse...

Pois vai haver, só em Setembro vão 10 a 20 mil professores embora.

fiat lux disse...

É que nem vale a pena investir na mentira, em breve se verificará que é verdade. Mas ele já está tão calejado que nem sabe actuar de outro modo. E sobrevive às aldrabices permanentes, o que é mais estranho...