terça-feira, 24 de maio de 2011

Depois da propagada, a realidade

Afinal a despesa do Estado não caiu.
À conclusão da Direcção-geral do Orçamento de que a despesa efectiva do Estado diminuiu 3% no primeiro trimestre do ano, a UTAO contrapõe que “esta aparente melhor execução da despesa reflecte apenas uma baixa execução do pagamento de juros da dívida pública, que se encontram concentrados no segundo trimestre, bem como uma baixa execução da despesa de capital”.
“Caso os juros e outros encargos fossem pagos de forma regular (de montante idêntico ao longo do ano), a despesa efectiva registaria, em Março, uma taxa de variação homóloga acumulada nula”, lê-se no relatório da UTAO.

4 comentários:

André Miguel disse...

E ainda alguém se deve surpreender? Infelizmente já devíamos ter aprendido a lição. Com o PS é sempre a subir...

Anónimo disse...

Não fosse o Sócrates, a quem é que o FMI emprestava o dinheiro?

Ao Catroga ou aos gestores do PSD do famigerado BPN?

David Levy disse...

O FMI não emprestou o dinheiro ao Sócrates. Emprestou-o à República portuguesa. Essa mania que vocês têm de se julgarem donos disto tudo.

Espero que no dia 5 os portugueses decidam entregar a gestão do empréstimo a um governo PSD/CDS.

PS: Qualquer pessoa, incluindo o Catroga, fará melhor que a dupla Sócrates/Teixeira dos Santos que pura e simplesmente arruinaram o país.

Anónimo disse...

Tudo menos CDS, demagogia não é o que lhe falta.

PS/PSD/CDS/BE/PCP/PNR/PA/PM são todos a mesma merda. Ainda por cima nenhum deles é claramente a favor de Israel. Uma cambada de anti-semitas que ora se escondem com anti-sinonismo, ora se calam quando não deviam. O pior ainda é mesmo em Espanha.

Votem isto: