segunda-feira, 5 de abril de 2010

Desleixo

O que hoje é relatado no Jornal Público, sobre as actividades do primeiro-ministro na Câmara da Guarda, é apenas uma amostra do que se descobrirá quando sair do Governo. 
O país cheio de dívidas, a justiça moribunda, a economia a rastejar, a educação em profunda desagregação, e a corrupção a galopar, é o que já se sabe. O restante será apurado daqui a uns anos, quando Sócrates  já estiver em algum exílio dourado. Nessa altura, concluir-se-á que a falta de qualidade de umas casas e o não cumprimento de projectos eram apenas indícios do que ai vinha. Um mero pormenor no meio dos inúmeros estragos que o actual primeiro-ministro fez ao país.

2 comentários:

Daniel Santosj disse...

Depois da acusação de ter violado o regime de exclusividade a que estava sujeito, José Sócrates mandou dizer que não foi remunerado em nenhum projecto que assinou.

Parece-me correcta e de aplaudir a atitude do actual PM. Não só trabalhou gratuitamente na Guarda, ajudando um distrito do interior, algo desfavorecido, como ainda deixou por lá os traços inconfundíveis de um génio na sua visão vanguardista da arquitectura.

Levy disse...

@ Daniel

O homem é um incompreendido. Daqui uns séculos a sua genialidade arquitectónica será reconhecida. Até lá, será uma pobre vitima de campanhas negras.