quinta-feira, 1 de abril de 2010

Honorável insuspeito

Pelos vistos casos como o da "garagem do Farfalha" ou como  o da burla da dependência da Caixa Geral de Depósitos de Vila Franca do Campo, não contam para aferir os conceitos de "honorabilidade" e "insuspeita". Se contassem, um deputado que foi suspeito de pedofilia e de desfalque não falaria deles com este à-vontade.
Ricardo Rodrigues devia era estar escondido debaixo dos tapetes ou atrás dos cortinados, em vez de andar a fazer-se de virgem ofendida. Não se percebe como é que os socialistas permitem que este deputado dê a cara para defender as posições do partido em matérias como corrupção ou transparência. Deve ser pelo facto de não haver memória em Portugal, porque se houvesse, nem todos chegariam a cônsul. E a deputado muito menos.

2 comentários:

João António disse...

Esse é o problema de Portugal, qualquer mal feitor é destacado membro partidário !

Levy disse...

@ João António

Quanto mais mal feitor mais destacado é. Este Rodrigues foi posto a mexer do governo regional dos Açores, mas não ficou desempregado. É um daqueles casos em que basta olhar para a cara dele, que se vê logo tudo.

Boa Páscoa.