sexta-feira, 16 de abril de 2010

Notícias discretas

O moralista da Nação, Francisco Louçã, escudou-se no estatuto de deputado para não ser constituído arguido pela prática de crime de difamação. Em causa estavam as declarações proferidas pelo "coordenador" do Bloco de Esquerda em relação a Paulo Teixeira Pinto, e o consequente processo que este lhe moveu. O DIAP, que apurou fortes indícios da autoria de crime por parte de Louçã, viu-se obrigado a arquivar o processo porque  nada pôde fazer contra a imunidade parlamentar.
Se  fosse um deputado de outro partido, não só o virtuoso Anacleto Louçã já estaria no alto do púlpito a clamar pela fogueira, como esta notícia já encheria as parangonas de tudo quanto é jornal. Mas como se trata do representante máximo da moral e da virtude em Portugal, a discrição impera. Prova da boa relação que o Bloco de Esquerda continua a ter com os meios de comunicação social.

6 comentários:

Augusto disse...

Para rir...

O sr Paulo Teixeira Pinto um dos responsáveis do estado caótico a que chegou o BCP, quer agora ser vitima...

Mas a questão de fundo é que o dito senhor, que se diz monárquico, ficou escandalizado por Louçã ter afirmado , que uma marcha com tochas feita á noite por meia duzia de patuscos monárquicos a gritarem viva o rei , era ridícula.

Em suma o sr Paulo Teixeira Pinto pode ter sido ilibado, mas os accionistas e os funcionários do BCP, não esquecem que este senhor saiu com uma das mais chorudas reformas ou indeminizações de que há memória neste país.

E isso não esquecemos...

O resto é pura demagogia.

Mas o que se pode esperar de um blogue , que defende um Estado, Israel, que utiliza ARMAS QUIMICAS PROIBIDAS contra adversários, como foi denunciado e provado , que Israel utilizou no sul do Líbano e em Gaza....

David Levy disse...

Caro Augusto

A presente posta não se destina a branquear o sr Paulo Teixeira Pinto, apenas refere uma coisa que pelos vistos para si é inadmissível: que o deputado louçã alegadamente cometeu um crime. Porque não foi só isso "dos patuscos" que ele disse. Foi muito mais. Além disso não somos nós que decidimos se cometeu ou não, é o DIAP, e o DIAP aponta para isso. Mas como o sr deputado está a cima do comum dos mortais, esconde-se atrás da imunidade. Foi só isso que eu quis criticar, mais nada.

Num blogue do qual não se pode esperar grande coisa, não se percebe porque é que aqui veio. Alias percebe-se: veio debitar a propaganda do costume. Mas como pode ver eu aprovei-lhe o comentário.

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Que coincidência!

Meu sonho sempre foi me converter ao judaísmo, fazer aliyá e viver em Tel Aviv, às margens do mar, ou entãi num kibboutz, na planície de Sharon; pena que não me aceitaram para a conversão. Também tenho uma namorado que é alfacinha, e vive no Alto de Pina, em Lisboa. Vou pra lá, neste ano ou no próximo, mas o meu coração mesmo pulsa é em Sion. Chalomot, chalomot...

Já estas na minha lista de blogues.

Shabbat shalom. Neshikot.

David Levy disse...

@ Abdoul

As conversões não são fáceis, deviam rever isso.
A sua namorada é minha vizinha :)

Shabat shalom,

Lehitra'ot

Abdoul Hakime Goul Djounoubi عبد الحكيم گل جنوبی disse...

Shalom.

Daniel, obrigado pela compreensão. Hoje não sou mais judeu (embora, se me aceiraem para a conversão, mudo de idéia na mesma hora!), mas tenho saudades do tempo em que acendia uma vela sexta-feira de noite, e quando não comia laticínios junto com carne. Eu seguia todas as regras de coração. Ser judeu ainda é meu sonho. Como dizia Jorge Luis Borges: "Siempre lamentaré no ser judío."

Ah, o meu namorado chama-se Fernão Gomes. Nosso cão chama-se Nino.
Se eu for a Lisboa um dia, quero te conhecer, pode ser? Onde vives, na cidade velha, Mouraria, Alfama?

LeHitraot, chaver!

David Levy disse...

@ Abdoul

Claro que pode, teria todo o gosto. O seu namorado vive perto de mim, pois eu vivo nas Olaias.