sexta-feira, 30 de abril de 2010

O que dizem os outros

 Uma das mais insignes forças de cariz fascista e anti-semita, o Bloco de Esquerda, sempre pactuou com o despesismo e com toda e qualquer engorda do estado. Na hora da verdade, mesmo perante a manifesta falta de dinheiro, sempre o Bloco de Esquerda defendeu o despesismo que resultaria, evidentemente, numa maior corrida do estado ao crédito bancário nacional ou internacional.
A razão deste frenesim era óbvia: para o Bloco de Esquerda toda e qualquer engorda do estado vinha a calhar porque se apresentava como paladina da "defesa dos direitos adquiridos".
Continue a ler no Fiel Inimigo.

10 comentários:

RioDoiro disse...

Obrigado,
Chapelada

Augusto disse...

Este é para rir....

Afinal o Bloco é despesistas....

Então O Cavaco o Durão o Santana O Socrates, o Portas dos mil milhões para os submarinos o que são...

Há já me esquceia o BE apoia a justa luta dos palestinos a terem um país.

E denuncia os crimes praticados pelo estado de Israel.

RioDoiro disse...

Augusto:

"Então O Cavaco o Durão o Santana O Socrates, o Portas dos mil milhões para os submarinos o que são"

Então, e o belicismo. O belicismo!

A coisa já não é pecado mortal por ser belicismo? Já é 'tudo coisas do dinheiro'? Já se apela ao economicismo sem se perceber que, mais importante, se trata de belicismo? Da guerrrrrrrra?

David Levy disse...

@ Augusto

Foi uma sorte para o BE os 1000 milhões dos submarinos. O que é que iriam carpir?

Há muita gente que apoia as aspirações dos palestinianos a um estado, mas não o fazem servindo-se dos palestinianos para se promoverem e para fins políticos. Nesse aspecto o BE ultrapassada tudo, até com o Hamas se dá.

Augusto disse...

Sr Levy, li há tempos dois livros que lhe aconselho vivamente,

A- O Pecado original de Israel de Dominique VIDAL

B- Histoire du Peuple Juif au XX siécle de Simon EPSTEIN

( discordo que se fale em POVO JUDEU , pois para mim o judaismo é uma religião)

Talvez assim se perceba, que quando se fala tanto em acções terroristas, levadas a cabo por militantes palestinos, se tente fazer esquecer , que o TERRORISMO, foi a arma principal, que utilizaram muitos dos fundadores do Estado de Israel.

E caro sr Levy fica-lhe muito mal falar de fascismo a propósito do Bloco de Esquerda, sabe é que muitos dos que apoiam este partido, sofreram na carne , a defesa da Liberdade no nosso país, e souberam bem o que quer dizer a palavra fascismo..

Olhe que apesar de todas as atitudes e declarações de certos governantes de Israel desde 1948, eu nunca me atreveria a denominar Israel de ESTADO NEO-NAZI.

David Levy disse...

Caro Augusto

Eu também tenho livros para a troca se quiser.

Para si o judaísmo é uma religião, mas isso é absolutamente irrelevante, porque não é só isso que ele é. É muito mais do que isso. Há um povo judeu, quer o Augusto queira, quer não queira. Essa argumentação só tem o propósito de deslegitimar o Estado de Israel.

O que muitas vezes foi posto em causa, foi a existência de um povo "palestiniano". No início do conflito, falava-se em "árabes" e não em "palestinianos". Actualmente esse assunto foi ultrapassado, uma vez que os árabes da Palestina ficaram praticamente sozinhos a lutar contra Israel, pois os seus irmãos árabes de outros países fizeram a paz separada com o Estado Judaico. Por isso acabou por emergir um povo palestiniano, cuja legitimidade já não é contestada por ninguém, excepto por alguns sectores da direita israelita.
Espanta-me por isso, que venha com essa conversa que os judeus não são um povo. Isso é o mesmo que dizer que os portugueses não são um povo, porque são católicos, e o catolicismo é uma religião. A noção de povo vai para além disso.

Não fui eu que falei de fascismo a propósito do BE. Foi o RioDoiro no blogue Fiel Inimigo. E eu linkei porque concordo com ele. Esses senhores que você alega terem sofrido na carne, fariam outros sofrer na carne se os deixassem mandar. É essa a diferença. Não nego que tenham sofrido, mas a governarem fariam o mesmo ou pior. Haveria sempre quem de entre os seguidores do profeta Anacleto que se voluntaria-se para encher umas prisões. Alias, o discurso do BE é do mais fascista e e extremista que há. Devem estar cheios de pena que Portugal ainda não esteja como Grécia, pois é só nesse ambientes que o BE prospera.

Você diz que não se atrevia a denominar Israel neo-nazi, mas na prática é isso que está a fazer quando diz que não se atreveria. Esse truque é velho.

RioDoiro disse...

"muitos dos que apoiam este partido, sofreram na carne , a defesa da Liberdade no nosso país, e souberam bem o que quer dizer a palavra fascismo.."

Parece que não aprenderam nada. Têm tentado aplicar aos outros algo 1000x pior que a bolorenta ditadura salazarista.

Salazar, nas passadas terras dos amanhãs que cantam e nas que ainda por aí se arrastam e que alimentam o ego aos "lutadores", seria aclamado como um lutador anti-fascista.

Augusto disse...

A sua visão é tão sectária que me espanta, sabe que quer em Portugal quer na Grécia, há um grau de corrupção , e de economia paralela, que distorce qualquer discurso sobre o rigor das finanças, enquanto não fôr realmente atacado.

Mas a direita e até o PS não estão interessados em começar por aí, e sabe porquê.... porque as clientelas partidárias que alimentam o PS o PSD e o CDS vivem dessa economia paralela, e da corrupção.

Penso que não preciso de lhe dar exemplos.....

Quanto á falácia do dito povo judeu, fazia bem em ler o ensaio de

Shlomo SAND, em hebraico se o souber, mas existe uma tradução, muito boa em francês da Flammarion em livro de bolso, na colecção Champs essais

o Titulo para quem se interessar por estas coisas é:

Comment le peuple juif fut inventé.

Anoto, que nunca deve ter vivido na ditadura, possivelmente por ser ainda novo,e por isso desconhece totalmente o que é o fascismo, e utiliza essa palavra como arma de arremesso , sem saber na realidade o que ela representa.

Sabe quem defendia a superioridade de uma raça sobre outra, quem defendia o espaço vital para ocupar outros países , quem utilizou o aparteid como método de segregação racial.....

*pis é isso são métodos nazi-fascistas, e um Estado que os utiliza , é na sua ideologia e na sua prática herdeiro dessas ideias abomináveis....

Cirrus disse...

Fui ler. Perante o nível da conversa, duvido que vá mais vezes. De imbecilidades anda o mundo cheio.

RioDoiro disse...

Augusto:

"A sua visão é tão sectária que me espanta, sabe que quer em Portugal quer na Grécia, há um grau de corrupção , e de economia paralela, que distorce qualquer discurso sobre o rigor das finanças, enquanto não fôr realmente atacado."

Da Grécia não sei. Se que em Portugal o nível de economia paralela baixou drasticamente dos anos 80 para cá e à medida que foi descendo a coisa piorou. A razão é simples: o dinheiro que no circuito paralelo não é entregue ao estado rende à economia real muito mais que entregue ao estado.

À medida que a economia paralela foi sendo canalizada para as vias legais sem que jamais houvesse abaixamento de impostos foi enterrando toda a economia.

.