sexta-feira, 5 de junho de 2009

A guru do 'eduquês'...

...Ana Maria Bettencourt, uma das maiores especialistas portuguesas em 'pedagogice', deu duas entrevistas ao Jornal Público, nas quais disse coisas de fugir. Esta ex deputada do PS, e eventual futura ministra da educação, continua a defender com unhas e dentes a totalitária ideologia do "eduquês".
Segundo ela, "há três componentes na missão do professor. Uma é mudar o paradigma do trabalho dentro da sala de aula: mais trabalho e mais acompanhamento aos alunos. A segunda é que o professor tem que ter função de tutoria, de enquadramento e apoio ao aluno; ajudar um aluno com crise pessoal ou que não consegue aprender. A terceira componente é o trabalho em equipa." Sobre a principal tarefa que é ensinar, nem uma linha.
Depois, prossegue dizendo que "as escolas têm que ser avaliadas se resolverem os problemas e se não o fazem têm que explicar porquê." Ou dito de outra forma, se não passarem os meninos todos, serão culpabilizadas pelos chumbos, e avaliadas pelas grelhas altamente científicas do secretário de estado Valter Lemos.
Sobre as medidas propostas pela actual equipa do ministério, nomeadamente sobre o ensino das línguas, a Drª Bettencourt continua maravilhada com a Finlândia (até suspeito que ela viva lá), pois refere que "na Finlândia, há alunos dessas idades [10 a 12 anos] a estudar cinco línguas, há percursos muito centrados nas línguas porque os finlandeses dizem que são um país periférico e têm que aprender. O problema não é o ensino de duas línguas, mas a consolidação da compreensão das mesmas".
Sobre a Matemática, defende que "os professores têm que trabalhar mais. Não podem ser só as famílias, embora estas sejam importantes; é a escola que tem que ter muito mais responsabilidade." Claro, a culpa é dos professores, não são as famílias que não ligam nenhuma à escolaridade dos filhos, e não são os alunos que são cada vez mais preguiçosos.
Sobre o facilitismo que tem sido acusada, e acerca dos "chumbos" a linha é a mesma: "Um aluno que chumba várias vezes é porque não foi apoiado e vai acabar por desistir, o que é mau para ele e para o país. O que defendo é que os professores compreendam as dificuldades dos alunos, insistam e trabalhem muito. Isto é muito importante, para poder resolver, porque se não, os professores dão sempre mais do mesmo. Um dos aspectos que me impressionou na escola finlandesa foi os alunos trabalharem imenso. Existem alunos com dificuldades, são apoiados e vão fazer a sua escolaridade." Mais uma vez, a culpa é dos professores e nunca, nunca é dos alunos. Dos exames, disse que "o problema do sucesso nas aprendizagens não depende de mais exames."
Ana Maria Bettencourt personifica bem o espírito do Partido Socialista para a educação. Qualquer ministro que venha deste partido vai defender estas ideias, que têm sido em parte responsáveis pelo tremendo falhanço que é a escola em Portugal. Estes senhores, debaixo da capa de quererem ajudar os "coitadinhos" e os "pobres", estão com estas ideias, a prolongar-lhes a pobreza e coitadice, porque no essencial os desresponsabilizam pelos seus resultados e pelas suas aprendizagens. Ao mesmo tempo, fazem tábua rasa de tudo o que muitos professores todos os dias fazem nas escolas, passando-lhes a responsabilidade de todos os males.
Maria de Lurdes Rodrigues, ao pé de Ana Bettencourt, é uma santa, e se a segunda substituir a primeira, ainda vai haver quem tenha saudades da 'Milu'.

15 comentários:

3virgula14 disse...

CREDO!!!!!!!!!
Estou chocada.
De facto quando há falta de humildade em reconhecer ignorância dá nesta arrogância.
A senhora não sabe nada de nada...não conhece o terreno. Neste caso não conhece o terreno português.
Com que então os nossos alunos não trabalham mais porque os professores portugueses não exigem? Não querem? Não... não o quê afinal...?!
E a Matemática? Com que então são os papás!!! Isto se não fosse tão patético até teria muita graça!
E os alunos que chumbam várias vezes... foi porque não houve o apoio necessário?! Ou é NEE e está numa turma enoooooooorme e/ou rebeeeeeeelde ao qual é impossivel apoio individualizado (então não inventem falsas integrações destes miudos!) e/ou é faltoso e santa paciência ... os meninos no mínimo têm que ir à escola. Porque os papás destes e que são tão responsáveis a que a senhora se refere devem ser aqueles assíduos na segurança social/CTT a fazer peixeirada a questionarem porque não receberam na caixa de correio a tão "merecida" mesada!!!
Para não falar dos meninos que são assíduos e constantemente mal educados e como o Levy já afirmou "não trabalham e têm raiva de quem trabalha".
A Escola tem que ser muito mais responsável...Sabem com o quê??? Eu respondo: com a segurança física e moral de quem lá trabalha.

Ainda bem que na Finlândia os professores são respeitados e têm condições de trabalho. Porque a entrevista a esta senhora andou à volta desta minha afirmação ou percebi mal?!?!?! ;)

Sinto azia depois disto tudo!!!
E não resisto em perguntar... e os autoclismos na Finlândia funcionam bem?!

3virgula14 disse...

Só mais uma coisita: eu não voto PS!!!

Mariagaby disse...

Pronto! Já sabemos quem é a sinistra que se segue no ME!(lagarto,lagarto!!!)Esta está mesmo a pôr-se a jeito!
Ao ler, ontem, a entrevista fiquei estarrecida!! Quando pensamos que já nada pode piorar,enganamo-nos redondamente! O toutiço de um(a) mentor(a)do eduquês é um local estranho!!

QUEM TEM BOCA VAIA SÓCRATES!!!

Anónimo disse...

Só um bocadinho de má língua. A Ana Maria Bettencourt é professora da Escola Superior de Educação de Setúbal? Ainda recebe o ordenado por lá? Quantas vezes é que foi ultimamente (os últimos 10 anos) às reuniões do respectivo Conselho Científico? Porque será que quem tem telhados de vidro não devia andar à pedrada?

Ramiro Marques disse...

Excelente post.

Anónimo disse...

Professora na Escola Superior de Educação de Setúbal?
Então basta indicar qual foi o concurso público,publicado no DR série II, através do qual obteve o emprego...

Anónimo disse...

nem Milu nem esta cópia (são as "Ciências da Educação)só podem dar nisto.

Levy disse...

@ anónimos

Sobre a Escola Superior de Educação de Setúbal não sei responder. SEi que já foi presidente do respectivo conselho executivo, há uns 13 anos atrás se não estou em erro. E também era lá professora, de Ciências da Educação.

Range-o-Dente disse...

http://fiel-inimigo.blogspot.com/2009/06/em-destaque.html

Chapelada.

Anónimo disse...

Se calhar votar no PS, não é assim tão má ideia!??
E se esta for a próxima ministra da educação, então é mesmo uma MUITO BOA ideia!

Nero, esse percebia da poda!

Mil Ideias disse...

Volta Milu que (não) estás perdoada!!
Há tantas situações de lay off no nosso país,por que não propor esta medida nas escolas e parar para pensar um pouco???...PS nunca mais!!!

MariaGaby disse...

Mil Ideias, pensar com estes tipos a mandar, é como uma pescadinha de cauda nos lábios, sempre à roda sem chegar a lado nenhum!!! Portanto, primeiro, correr com eles, depois, acção!!Acção, que de conversa anda tudo farto!!!!

Anónimo disse...

olá
Esta gente devia , colocar os olhos no ensino em Israel e verificar a diferença significativa e positiva entre os resultados palpáveis nos obtidos em Israel e os obtidos na Europa.
JM

Levy disse...

@ JM

Duvido que queiram ouvir falar em tal coisa. Israel só se for para dizer mal. Além disso, teriam de interiorizar uma coisa que lhes é cara: a disciplina.

Arthur disse...

Que tal comentar este tipo de afirmações com a concisão de Eça de Queiróz? Para quem foi decerto iluminado ler acerca desta douta senhora relembra-me o Eça e o seu Notas Contemporâneas. Ai ai...