quarta-feira, 17 de junho de 2009

O falso

O primeiro ministro acabou de dar uma "entrevista" a Ana Lourenço da SIC. Entre aspas, porque de entrevista não teve quase nada, a entrevistadora não confrontou José Sócrates com o contraditório, e deixou-o falar e dizer apenas o que quis e como quis. Não se percebe como é que um canal de notícias tem um programa de entrevista em que a jornalista, pura e simplesmente, não as sabe fazer. Um tempo de antena não teria feito melhor.
Sócrates surgiu esta noite aos portugueses como um senhor muito bonzinho, compreensivo, amigo e caridoso. Paternalista, um incompreendido. Tratando-os como se fossem estúpidos e falando-lhes num tom de voz a soar a falso.
Mentiu descaradamente sobre uma série de políticas, nomeadamente as relacionadas com a educação e com as finanças públicas. Voltou a atirar as culpas da crise para cima da conjectura internacional, não deu qualquer tipo de explicação sobre a situação das contas do Estado (também não lhe a pediram...) e elegeu o governo como o pai de todos e que de todos deve tratar.
Sócrates é um político medíocre, que vive de truques e golpes baixos, e que não respeita o eleitorado, pois trata-o com menoridade, a ponto de achar que uma mudança no tom de voz é suficiente para o convencer.

3 comentários:

VM disse...

Sempre tive a certeza que este sr. é muito bom a
passar "Atestados de Estupidez" aos Portugueses.
E, às vezes eles bem que os merecem!

Luis Melo disse...

Ontem na entrevista de José Sócrates à SIC pudemos ver a diferença do tom e da forma como falou, entre esta entrevista e a que deu à RTP em Abril.

A diferença de tratamento que o PM teve para com Ana Lourenço, em comparação com Judite de Sousa foi abissal. Tratou a jornalista com delicadeza, simpatia e compreensão. Em Abril tinha chamado ignorante (entre outras coisas) a Judite de Sousa.

Como se esperava Sócrates tentou mudar de personalidade "parte-se-me o coração ao saber que o BPP mentiu aos clientes que lá tinham as poupanças de uma vida". Só que o disfarce de homem humilde, suave e modesto caiu quando Sócrates falou do défice das contas públicas: "se perguntar qual foi o primeiro-ministro... ou melhor, esta pergunta seria muito imodesta, qual foi o período em que o défice foi menor..."

A propósito da crise económica e financeira, Sócrates volta a falar dos EUA, da Rússia e... da Irlanda (coitada da Irlanda que está sempre a ser massacrada por este Governo). Sócrates é o melhor líder da oposição na Irlanda. Mais uma vez lhe digo, com o mal dos outros posso eu bem.

Falando de assuntos que me é caro, o PM disse que melhoramos os resultados escolares. Pudera !! Nestas semanas de exames nacionais, ouve-se os alunos dizer que os exames são fáceis. Nunca, em tempo algum, se viu alunos dizer que as provas específicas, de aferição, etc. fossem fáceis. Porque de facto não o eram, não poderiam ser porque tinham de ser exigentes.

Para finalizar, Sócrates disse que "o problema do país é termos partidos e políticos que fazem uma coisa no governo e o contrário na oposição". Pois é, tem toda a razão, mas será que lhe terei de relembrar o que disse aqui? pois... olhem para o que eu digo, não para o que eu faço.

Levy disse...

@ Luís Melo

O primeiro ministro vive de aparências e de fachada, e vai fazer sempre aquilo que for mais fácil e que agradar mais à populaça. Se a populaça estiver contra alguma coisa, ele é o primeiro a estar também contra. Viu-se isso com os professores. Os resultados escolares melhoram, porque são uma autentica farsa, todo o processo é uma desonestidade aflitiva. E é assim, porque os encarregados de educação gostam de ver os filhos com boas notas na pauta, mesmo que eles não saibam nada.