quinta-feira, 18 de junho de 2009

Resultados inversamente proporcionais à ministra

A ministra da educação continua a repetir a mesma mentira cada vez que saem resultados de provas ou exames. Os resultados, segundo ela, estão em constante melhoria, apesar de ser cada vez mais óbvio que os processos que o ME utiliza para aferir as aprendizagens, são tudo menos sérios. É o ministério da educação, que elabora, aplica e classifica as provas. Ou seja, é o ministério que controla todo o processo. Qualquer análise minimamente inteligente percebe que nada disto é honesto, e que não passa de mais um exemplo flagrante que a política educativa do governo se resumiu a três coisas: distribuir computadores, distribuir diplomas, e baixar a exigência e a qualidade, de maneira a melhorar as estatísticas.
A noite das eleições europeias mostrou aos portugueses a verdadeira Maria de Lurdes Rodrigues: arrogante, mal educada e quezilenta. Foi o seu fim político. Acabou à porta de um hotel, numa noite de derrota, a enxotar jornalistas.

2 comentários:

Luis Melo disse...

A Educação em Portugal está pelas ruas da amargura. A ministra Maria de Lurdes Rodrigues, apostada em melhorar as estatísticas, "oferece" os exames aos alunos. E por outro lado, quer mostrar exigência no sistema, confrontando os professores.

A última notícia hilariante é esta: A prova de Língua Portuguesa do 9º ano "foi básica"

Tal como eu já tinha dito aqui: É necessário voltar a colocar os patamares de exigência. É necessário voltar a dar condições aos professores. É necessário remodelar e actualizar escolas. É necessário passar á sociedade uma nova cultura de mérito. É necessário também combater o insucesso escolar com várias medidas. É necessário mudar o sistema de ensino facilitista, não só no secundário mas desde o 1º ciclo…

Mais 3 pontos para a ministra na Superliga "incompetente-mor".

Levy disse...

@ Luís Melo,

concordo com o que diz, e acrescento que isso não acontecerá enquanto não forem os pais a exigi-lo. A maioria deles, infelizmente, fica contente em ver o seu "rebento" a ter uma boa classificação numa prova, mesmo que ele não saiba nada.
Se os pais soubessem (ou quisessem saber) o que se passa dentro das escolas fariam um enorme estardalhaço. Se fosse num hospital fariam, mas como é na escola...