sexta-feira, 13 de agosto de 2010

O que faz falta é saudar a economia

 Segundo o Eurostat a economia portuguesa registou o quarto pior crescimento da União Europeia no segundo trimestre, em 17 países, face aos primeiros três meses do ano, ficando a meio da tabela na comparação com o trimestre homólogo.
Depois de anos a divergir da Europa, Portugal continua a arrastar-se pelos últimos lugares das tabelas. Nada que tire o optimismo ao primeiro-ministro, que já veio saudar as "boas notícias" divulgadas pelo organismo europeu. Para José Sócrates qualquer décima de crescimento é um bom resultado e demonstra a sua excelente governação. Mesmo que apenas corresponda a 1/5 da média da UE.
A mediocridade e a falta de vergonha são tão grandes que é bem provável  que José Sócrates se mantenha no lugar apenas para continuar a receber o salário de primeiro-ministro. Onde é que um incompetente com este calibre  receberia um vencimento assim?

5 comentários:

Ramiro Marques disse...

É o campeão nacional da sem-vergonha e o chefe máximo e querido líder dos sem-vergonha.

Anónimo disse...

É incrível a benevolência que o Sr. Pinto de Sousa tem pela parte dos media. E depois, apesar de todos os escândalos, mentiras e incompetência ainda são mais incríveis os resultados das sondagens que este 1º ministro consegue!
Começo a pensar seriamente, que a maioria dos eleitores está hipnotizada, não encontro outra explicação!
F.G.

David Levy disse...

@ F.G.

Eu tenho uma interpretação: há muita gente em Portugal que recebe mais do que produz. São esses que votam no "engenheiro".

Anónimo disse...

O problema não está na nova crise mas sim nos despedimentos colectivos mas sim culpa do governo que não investiga o despedimento colectivo de 112 familias do casino estoril trafico de influencias e 112 familias na rua e a justiça parece cega.

Anónimo disse...

O problema não está na nova crise mas sim nos despedimentos colectivos mas sim culpa do governo que não investiga o despedimento colectivo de 112 familias do casino estoril trafico de influencias e 112 familias na rua e a justiça parece cega.