segunda-feira, 11 de julho de 2011

O lurdesrodriguismo está de volta

Parece que há umas pessoas a faltar ao trabalho nas inúteis Direcções Regionais de Educação. Qualquer coisa como 6 mil dias de absentismo divididos por 750 funcionários, o que dá a módica quantia de 8 faltas por ano e por funcionário. Como estudos destes raramente são divulgados não se consegue saber se é muito ou se é pouco. A única vez que alguém se pôs a publicar o absentismo de funcionários públicos nos jornais foi no consulado de Lurdes Rodrigues em 2005 e teve como intuito virar a opinião pública contra os docentes. A ideia foi um sucesso: milhares de professores deram milhares de faltas. O sound-bite perfeito. 
O encerramento das DRE's é uma medida acertadíssima e o regresso de muitos funcionários às escolas vai ser bonito de se ver, mas não é preciso andar plantar notícias nos jornais para os fazer passar por preguiçosos absentistas. Fechem e pronto. Como diria o saudoso Diácono Remédios: não havia necessidade!
PS: Se for assim tão importante saber quantas faltas dá cada funcionário das DRE's, que se  divulgue o número, mas que se faça o mesmo com todos os funcionários de todos os departamentos do Estado. Umas 1000 notícias chegarão para divulgar tanto estudo

2 comentários:

xistosa - (josé torres) disse...

Estas faltas estão justificadas.
Foram dadas para não aturarem os professores..., essa raça que inferniza a vida aos portugueses.
Desde a instrução primária (será assim que se diz???), até ao 1º ministro. (O Cavaco está isento de chatices...)

Anónimo disse...

As milhentas falta atribuidas aos doentes vêm do tempo de Manuela Ferreira Leite. E se um funcionário/operário falta 8/9 horas é um dia de trabalho. Um professor se falta um dia tem 1 falta a cada 45m, ou seja 1 dia ausente são 7-8-910 ou mais faltas -é só contar e não saber como o populacho que se vingou de não saber ler, ou do outro, que tinha diplomas dominicais...