sexta-feira, 8 de julho de 2011

O tacho

Já não há palavras para descrever as atitudes de Fernando Nobre. Hoje soltou mais uma pérola ao declarar que "os que pensavam que estava à procura de um tacho enganam-se."
Fica-se pois a saber que para Fernando Nobre o cargo de deputado é um tacho, e que ele apenas concorreu ao tacho com o intuito de ser líder de uma assembleia com 230 tachos. Excelente maneira de classificar as funções para as quais foi eleito.
Felizmente que estas tristes declarações são apenas as ondas de choque do episódio da sua rejeição para Presidente da Assembleia da República. Um ressabiamento, portanto. Fernando Nobre é uma personagem irrelevante, que roça o patético, e que em breve se eclipsará.

4 comentários:

Anabela Magalhães disse...

Que desilusão de homem! Assunto encerrado, David.

Luís Palma de Jesus disse...

Imagine-se que tinha sido eleito. Todas as semanas teríamos bocas e desmandos de arrepiar...

joshua disse...

Mesmo que não quiséssemos, o homem encarregou-se da própria autodestruição política ou cívica, escolha quem quiser.

Joaquim Simões disse...

Chapelada!
Quanto a eclipses, veremos. Os movimentos de translação destes astros são muito complexos e as suas interacções gravíticas nem sempre fáceis de prever.