quarta-feira, 8 de setembro de 2010

Propaganda barata, demagogia cara

Depois de o Governo ter encerrado mais de 700 escolas, o primeiro-ministro anda numa azáfama a inaugurar meia dúzia de novos centros escolares. Ontem no Lumiar e em Loures, hoje em Paredes. Em todos os lugares a cartilha do costume: propaganda e demagogia. 
A propaganda é da mais barata que há: beijinhos aos alunos e respectivas mães. Tal como muitos políticos da América Latina, Sócrates não resiste a posar ao lado de criancinhas vestidas de bibe. 
Já a demagogia é bastante cara:  mais 50 milhões de euros gastos em computadores Magalhães, unicamente com o propósito de conseguir votos para o partido do Governo. O dinheiro dos contribuintes ao serviço dos propósitos eleitorais do primeiro-ministro.
A história do computador Magalhães, para além de também ter um ligeiro toque latino-americano, demonstra a total inversão de valores que os socialistas têm introduzido nas escolas. Ontem mesmo Sócrates perguntava a um aluno se já tinha recebido o seu Magalhães. Um primeiro-ministro sério ter-lhe-ia perguntado se já sabia ler ou se sabia a tabuada. Mas este não, em vez disso prefere destacar o acessório e o vistoso. Aliás, se saber ler e contar desse votos, Sócrates nunca teria chegado onde chegou.

10 comentários:

R disse...

ó David!

Então você escreve:

"Tal como os políticos da América Latina, Sócrates não resiste a posar ao lado de criancinhas vestidas de bibe."

?

Você ainda há poucos posts atrás andava a postar sobre os políticos israelitas a posarem nas escolas no início do novo ano lectivo... =p

Hummm, cheira-me a double standard... coff coff! =p ;)

David Levy disse...

oh R!!

Então você quer comparar o Shimon Peres e a Tzipi Livni com o Sócrates? Por amor de Deus, não atire lama para cima da musa deste blogue.

Onde é que está aqui dito que todos os políticos que posam ao lado de crianças são como os latino-americanos? O que quis dizer é que Sócrates age em relação às criancinhas como os políticos da América latina. O espírito e o estilo é que contam por isso foi Sócrates que eu comparei.

Lamento mas Sócrates tem todo o ar e os tiques dos políticos lá desse sitio. Além de parecer um vendedor da banha da cobra. Coisas que Livni e Peres manifestamente não têm e não parecem. Pensava quem nem era preciso eu dizer isto...

Outro aspecto que pelos vistos lhe escapou é que nem Livni, nem Peres andaram a fazer ofertas mais do que duvidosas com o dinheiro dos contribuintes...

MariaGaby disse...

Ó David! O pessoal, para votar. só precisa fazer uma cruzinha e pode ser manhosa! Qual ler e escrever! Então contas, não convém mesmo nada! Isso interessa lá para alguma coisa! E depois, temos aquela dondoca que é um must!!!
Voltamos sempre ao João da Ega:"Isto é uma choldra torpe!"

Anónimo disse...

Levy,

O nível de educação da América Latina tem crescido e muito...e não é nada fácil!!! Atenda às distâncias, às condições geográficas, às diferentes etnias,...
David consulte as estatísticas da Costa Rica, do Perú, do Equador e depois diz. Se este País tivesse as condições dos que, por exemplo, citei, entrava em "parafuso" (talvez tivesse criado scuts para ligar vários aglomerados).

João Moreira

David Levy disse...

João António,

Os políticos da América latina a que me referia são os do tipo "rouba mas faz". Apesar de já não ser como no passado, ainda há por lá muitos resquícios desse tempo.

David Levy disse...

oh MariaGaby!!

Nem precisam de "kaneta"!! Votam por sms ou com o "Magalhães", se aquilo funcionar.
A dondoca é o expoente máximo da "esquerda caviar".

Anónimo disse...

Alguém me sabe informar quais os sistemas educativos no mundo onde crianças e jovens tenham como instrumento pedagógico um magalhães?

Obrigada.

Ana

R disse...

Ok, tem razão David! =p

Btw, já 'tou mais que seduzido pela Livni =p Eu quero-a no governo de novo...

Acha que ela vai conseguir ser reeleita e formar governo?

David Levy disse...

@ R

Julgo que não :( Infelizmente.

David Levy disse...

@ Ana

Que eu saiba só o nosso. O Magalhães vai levar o mesmo destino que as famosas calculadoras da década de 90 e anos seguintes: arruinaram com o calculo mental e com a operacionalização de algoritmos, ferramentas essenciais para se saber matemática. Gostava de saber onde anda essa gente que andou a pregar aos professores as virtudes das calculadoras no 1º e no 2º ciclo do ensino básico. Devem estar ai em alguma DREL ou DGDIC...