domingo, 10 de maio de 2009

... e Netanyahu não quer devolver os Montes Golã

O simples facto de falar nisso, já de alguma maneira coloca essa hipótese, pois assume implicitamente que o território não era israelita anteriormente. Mas ao negar categoricamente a devolução, não só deixa o seu governo mal na fotografia, como dá aos inimigos de Israel os necessários argumentos na guerra mediática que esta questão provoca.
Obviamente, que os Montes Golã nunca poderão ser devolvidos, sem a existência prévia de três condições: que haja um acordo de paz permanente com a Síria, que a Síria indemnize Israel pelas infra-estruturas de 1º mundo que vai receber, e que a devolução seja votada num referendo.

4 comentários:

Anónimo disse...

Levy,

você é um cínico. Finge defender a devolução do território, mas na prática só levanta entraves. Porque é que não escreve logo de uma vez que quer ficar com os Golã?

Levy disse...

Caro anónimo,

julga que é possivel desocupar um território do dia para a noite, sem mais nem menos e sem condições?

J.Carmo Moura disse...

"Descobri" o seu Lisboa-Tel Aviv.Estimei!
Em relação,aos Golã há uma 4ª razão para não os devolver:
No dia seguinte e estrategicamente,Israel era bombardeado.
Ao inimigo,não se voltam as costas.
Shalom.

Levy disse...

Carmo Moura,

Obrigado pela sua visita :)

Sem um acordo de paz, isso que escreve aconteceria. Não deve ser uma questão fechada, mas não se deve facilitar...